quinta-feira, 1 de abril de 2010

QUEM SÃO OS ILLUMINATI (ou Iluminati)?


Depois do sucesso dos livros de Dan Brown grupos de cristãos fundamentalistas têm produzido muito material (DVD, livros, internet) acusando os Illuminati (uma suposta organização secreta super-poderosa) de manipular a mídia a seu favor visando a dominação mundial. Já ouvi pessoas dizendo que não vão vacinar os seus filhos conta a H1N1 por acharem que essa campanha é na verdade um grande plano de extermínio (alguns falam em 80% da população mundial!!!). Mas será que existe mesmo uma sociedade secreta chamada Illuminati? Bem, em casos como esse é melhor consultar um dicionário especializado no assunto. Com a palavra o grande estudioso de tradições filosóficas “ocultas”, Nevill Drury:
“Termo usado pelos ocultistas, a partir do século XV, para designar adeptos iniciados que tivessem recebido introvisões místicas ou ‘iluminações’ de uma fonte transcendental. A Ordem dos Illuminati foi fundada em 1776 pelo professor bávaro de direito canônico Adam Weishaupt, mas não tinha propriamente um caráter esotérico e seus ‘segredos’ baseavam-se, em grande medida, nas obras de Voltaire e nos enciclopedistas franceses. Weishaupt e outro entusiasta, o Barão Adolph Knigge, posteriormente adaptaram os ensinamentos da Ordem com a intenção de se infiltrar na Franco-maçonaria. Um decreto instituído na Bavária em 1784 extinguiu todas as sociedades secretas – inclusive a Franco-maçonaria – e a ordem entrou em decadência. Contudo, ela passou por uma refervescência, por volta da virada do século, graças aos ocultistas Leopold Engel e Theodor Reuss. Em tempos mais recentes,     a idéia de uma fraternidade secreta de adeptos ou illuminati se popularizou com o escritor de romances ocultistas Robert Anton Wilson e com o guru da Nova Era Stuart Wilde”[1].
Ao que parece existiu mesmo uma sociedade secreta de cunho ocultista com o nome de Illuminati. Mas daí a dizer que possuem planos malévolos para a humanidade é outra coisa bem diferente. Carpe diem!


Nota:

[1] DRURY, Nevill. Dicionário de Magia e Esoterismo. São Paulo: Pensamento, 2002, p. 179.