segunda-feira, 29 de novembro de 2010

FOTOS DA VIOLÊNCIA NO RIO EM ALTA RESOLUÇÃO

As melhores fotos da invasão do complexo do Alemão pelas forças de segurança no dia 28 de novembro de 2010 você vê aqui.

Na imagem abaixo aparecem duas citações bíblicas. A primeira do Salmo 23 e a segunda de 1 Jo 7,1.

Clique para ampliar

sábado, 27 de novembro de 2010

BÁSICO DE TEOLOGIA COM PREÇO POPULAR

Se você mora na zona oeste do Rio e está interessado em fazer um curso de teologia não perca esta oportunidade. O Instituto Beritz está com as matrículas abertas para novos alunos do curso básico de teologia. As salas são climatizadas e possuem data show (projetor multimídia). O curso tem a duração de 10 meses e tem como objetivo capacitar professores de EBD (escola bíblica), pastores sem formação teológica, líderes e pessoas interessadas em aprender um pouco mais sobre a Bíblia.

A mensalidade de R$20,00 visa custear despesas com a manutenção do curso. O instituto Beritz não tem fins lucrativos, por isso a mensalidade é tão baixa. As apostilas são fornecidas gratuitamente aos alunos, que podem ser baixadas no site do curso. São só 40 vagas. 

É importante frisar que este curso não concede o diploma de bacharel em teologia. As aulas são ministradas no seguinte endereço: Rua Palmácia nr 95, Campo grande, Rio de Janeiro (bem próximo ao West Shopping). Para ver o local no mapa do Google, clique aqui

No curso dou aula de Antigo Testamento e história do cristianismo. Aguardo você lá!

sexta-feira, 26 de novembro de 2010

O RIO COMO A FAIXA DE GAZA

Complexo do Alemão, Rio de Janeiro
Muitas pessoas de outros estados brasileiros ou países não fazem idéia do tamanho de algumas favelas cariocas. Acima você uma imagem do Google Maps mostrando parte do Complexo do Alemão, um conjunto de favelas com índices de violência alarmantes.

Para observar as favelas desse complexo mais de perto (sem correr o risco de tomar um tiro de fuzil) clique aqui

Hoje as aulas no STBC, onde leciono hebraico bíblico, foram suspensas por causa do risco do ataque de bandidos nas vias públicas.  Os alunos devem ter gostado, pois estamos numa semana de provas. Como se vê, tudo tem o seu lado bom... 

quarta-feira, 24 de novembro de 2010

LIVROS DE TEOLOGIA PARA DOWNLOAD GRATUITO

Visitando o Observatório Bíblico tomei conhecimento de uma informação valiosa. A Society of Biblical Literature (Sociedade de Literatura Bíblica, SBL), mediante à Iniciativa de Cooperação Internacional (ICI), fornece gratuitamente livros no formato PDF online para estudantes que vivem em países com renda per capita substancialmente inferiores à média dos EUA e União Europeia. O link direcionando para o arquivo só aparece caso você esteja num desses países. O Brasil é um deles. Para ver a lista completa de países, clique aqui. Clicando aqui você escolhe o livro pelos temas.  

Traduzi o título de alguns livros disponíveis que mais despertaram minha atenção. Dê uma olhada:

Landes, M. George, construindo seu vocabulário hebraico bíblico: aprendendo palavras por freqüência e Cognato. Recursos para o Estudo Bíblico 41. Atlanta, Sociedade de Literatura Bíblica, 2001. (232 páginas, 679 KB).

Kaltner, John e Steven L. McKenzie, eds. Além de Babel: Um Manual para o hebraico bíblico e linguagens relacionadas. Recursos para o Estudo Bíblico 42. Atlanta, Sociedade de Literatura Bíblica 2002. (256 páginas, 961 KB).

Walker-Jones, Arthur, em hebraico para Interpretação Bíblica, Recursos para o Estudo Bíblico 48. Atlanta, Sociedade de Literatura Bíblica, 2003. (294 páginas, 27,7 MB).

Baixe os livros acima aqui.

Schmidt, B. Brian, ed. A Busca pelo Israel histórico: Debatendo a Arqueologia e História do Israel precoce. Arqueologia e Estudos Bíblicos 17. Atlanta: Society of Biblical Literature, 2007. (232 páginas, 5,1 MB).

Baixe o livro acima aqui. 

AS ESCAVAÇÕES EM KHIRBAT EN-NAHAS E A EXISTÊNCIA DE UM REINO SALOMÔNICO NO SÉCULO X a.C.

Foto: Earth Observatory (NASA)
Escavações no sul da Jordânia reacendem discussão sobre a  existência de um reino salomônico no século X a.C. A notícia é do San Diego News Room (A tradução é do Numinosum):
La Jolla - A existência do rei Salomão tem sido um tema de debate e de intrigas para inúmeros caçadores de tesouros e investigadores. Um antropólogo da Universidade da Califórnia, San Diego (UCSD) descobriu indícios de que o antigo reino [...] como descrito na Bíblia hebraica (Antigo Testamento) pode muito bem ter existido.
Thomas Levy, professor de antropologia da UCSD e estudos judaicos, foi pioneiro em três escavações [...] em uma área chamada Khirbat en-Nahas, localizado no sul da Jordânia, atraindo a atenção da NOVA/National Geographic Television, que enviou uma equipe à Jordânia no ano passado.  As descobertas de Levy serão apresentadas no documentário, “NOVA: Busca pelas Minas de Salomão”, que estréia nesta terça-feira, 23 novembro, às 8:00 em PBS.
É muito importante o que Levy diz no final da matéria:
“Nós não temos prova de que encontramos as minas de Salomão, mas o que temos é a prova de que havia reinos no século 10.” 
Arqueólogos da escola de Israel Finkelstein afirmam que no século 10 não havia sociedades capazes de criar um reino, por isso o trabalho de Levy tem chamado tanto a atenção. Vamos aguardar os resultados das escavações. 

Até a Nasa está participando do projeto, como você vê aqui.

terça-feira, 23 de novembro de 2010

QUAL O ORIGEM DO NOME “JERUSALÉM”?

A Revista Letras, Vol. 36 (1987), da Universidade Federal do Paraná, publicou um interessante artigo sobre a origem do nome “Jerusalém”. De acordo com o autor, R. F. Mansur Guérios, o nome da capital de Judá surge da junção entre as palavras sumerianas URU (cidade) e SALÉM (ou SALIM – nome do planeta Vênus), dando origem à palavra YERUSHALEM.

O artigo completo (em PDF) pode ser lido aqui.

Fiz uma pesquisa rápida. De fato, em tábuas escavadas em Tell el Amarna, datadas de 1400 a.C., Jerusalém é chamada de Uru-Salém.
“to the time of the judges Jerusalem was known  as Urusalim [...] the element Uru being indicated by the Sumerian ideogram uru = city [1]”.
no tempo dos juizes Jerusalém era conhecida como Urusalim [...] (Uru sendo o elemento indicado pelo ideograma sumério uru = cidade).”
Nota:
[1] HOMMEL, Fritz; McClure, Edmund; Crossle, Leonard, The Ancient hebrew tradition as illustred by the old monumente, p. 199.

GEOGRAFIA BÍBLICA ON-LINE

Mapa da Palestina. Em destaque a cidade de Belém. 
O Bible Atlas é um site que permite inúmeras possibilidades de pesquisa na área de geografia bíblica. Darei um exemplo do que este site pode fazer por você citando algumas informações geográficas sobre o ministério de Jesus:
Jesus nasceu em Belém, fugiu para o Egito, viveu em Nazaré, curou em Cafarnaum e foi crucificado em Jerusalém.
Caso você clique nos nomes das cidades destacadas acima uma tela do Google vai abrir apontando a cidade escolhida num mapa. Experimente!

Para conseguir o link que direciona para a página do Google que contém a cidade, basta fazer o seguinte:

1) Entre no site Bibleatlas.org (este link vai te levar à página já traduzida para o português pelo Google);
2) Clique na letra inicial da cidade escolhida (por exemplo, “B”, para Belém);
3) Todas as cidades bíblicas iniciadas com a letra escolhida vão aparecer;
4) Ao clicar na imagem uma nova tela vai aparecer descrevendo características da cidade e um mapa colorido à esquerda (como na imagem acima).
5) Caso queira uma imagem do Google via satélite, basta clicar em “Google Map” na aba superior (abaixo das letras L,M,N, do alfabeto).

Ficou com alguma dúvida? Poste um comentário.

Você também consegue excelentes mapas no site da National Geographic.


sábado, 20 de novembro de 2010

DICIONÁRIO SEMÂNTICO DO HEBRAICO BÍBLICO ON-LINE

Se você precisa do significado de uma palavra hebraica, mas não possui um dicionário hebraico/português, basta visitar o site mantido pelas Sociedades Bíblicas Unidas. As consoantes hebraicas ficam na barra horizontal superior [1]. Caso você clique num alef, por exemplo, na barra horizontal da direita [2] aparecem todos os verbetes que iniciam com esta letra. Ao clicar no verbete, os significados da palavra (que aliás, aparecem de forma muito organizada), surgem no centro [3]. Infelizmente o número de palavras ainda é limitado. O site também pode ser visualizado em inglês, francês e espanhol. 

Para visitar o site, clique aqui

quinta-feira, 18 de novembro de 2010

HUMOR CONTRA O RACISMO

No final do mês de outubro foi realizado o concurso internacional de cartoons contra o racismo, Brasil 2010. Os 45 catoons finalistas foram expostos no Montes Claros Shopping, MG. Você pode vê-los clicando aqui.

O cartoon vencedor (abaixo) foi feito pelo mexicano Angel Boligan, mostrando um Adão e uma Eva negros fugindo da ira divina após terem comigo do fruto proibido. E pensar que ambos foram "branqueados" ao longo dos séculos pelos pincéis dos artistas europeus.


Para acessar o site do Brazil Cartoon, clique aqui.

Se você gosta de cartoons não deixe de visitar a galeria do irancartoon. Você vai descobrir que os iranianos possuem um admirável talento para o desenho. 

O SANGUE DA INOCÊNCIA E O SANGUE DA CULPA

Imagem: Mihai Ignat/Romênia
 04 de novembro de 2010
Por Jones Mendonça

Um dos dogmas fundamentais da fé cristã é a de que Jesus, por amor, verteu o seu sangue pelos pecadores.  Nos três primeiros séculos, durante perseguições ocasionais aos cristãos, sob o aval de imperadores romanos como Nero e Domiciano, muitos seguidores do Cristo foram martirizados por causa de suas crenças religiosas.

Com a conversão do imperador Constantino, em 312, e mais tarde com o Edito de Teodósio, em 380, a situação se inverteu. O cristianismo se tornou a religião oficial do império. Lamentavelmente e ironicamente, desta vez seriam os cristãos os algozes, que em nome da fé, perseguiriam e matariam com requintes de crueldade todos aqueles que se opusessem aos seus dogmas religiosos. Por toda a Idade Média, muito sangue “pagão” foi derramado em nome de um homem que só pregava a paz, a justiça e a fraternidade. Com o surgimento do protestantismo a situação não mudou. Disputas religiosas violentas eclodiram na Alemanha, na França, na Escócia, nos Estados Unidos e em tantos outros lugares. Por um longo período a história do cristianismo foi escrita com sangue.

Essa é uma história que começa com o sangue da inocência, se desenvolve com o sangue da culpa e termina... bem, o fim da história só depende de nós. 

quarta-feira, 17 de novembro de 2010

DAVI E SALOMÃO: REIS OU LÍDERES TRIBAIS?

A National Geographic de dezembro (edição em inglês) traz à tona a antiga polêmica a respeito da existência ou não de um império davídico. Os dois principais personagens dessa disputa são os arqueólogos israelenses Eilat Mazar e Israel Finkelstein. A primeira, neta do famoso arqueólogo Benjamim Mazar, defende a existência de uma cidade fortificada em Jerusalém no século X a.C., sede do governo de Davi. Mazar acredita que os relatos bíblicos são históricos e devem ser levados em conta na busca pela reconstrução do passado de Israel.

O segundo, professor de arqueologia de Israel na idade do bronze e do ferro na Universidade de Tell Aviv, sustenta que o que a Bíblia descreve como um império poderoso na época de Davi e Salomão na verdade não passou de uma aldeia ou centro tribal. Quando olha para as ruínas que Mazar supõe serem do antigo palácio de Davi,  Finkelstein dispara: “é claro que não o palácio de Davi”. Na sua opinião há sim um fundo de verdade nos relatos bíblicos, mas ele considera que as pessoas que escreveram o Antigo Testamento moldaram a história de acordo com suas convicções político-religiosas.

Para ler a matéria completa, já traduzida pelo Google, clique aqui.

Para ler mais sobre o assunto aqui no Numinosum, clique aqui, aqui, aqui, aqui, aqui e aqui. 

terça-feira, 16 de novembro de 2010

QUAL O NOME DO SOGRO DE MOISÉS: REUEL, JETRO, JETER OU HOBAB?

Vejamos:

Ex 2,18,21 “elas voltaram a Reuel (hb. Reu’el), seu pai, [...] Então Moisés concordou em morar com aquele homem, o qual lhe deu sua filha Zípora.”

Ex 3,1  “Ora, Moisés estava apascentando o rebanho de Jetro (hb. Yitro), seu sogro, sacerdote de Midiã.”


Ex 4,18  “Então partiu Moisés, e voltando para Jeter (hb. yeter), seu sogro.”


Jz 4,11 “Ora, Heber, um queneu, se tinha apartado dos queneus, dos filhos de Hobab,(hb. Hobab), sogro de Moisés.”


Estranho, não?

A melhor explicação para o fato de um mesmo homem possuir tantos nomes é a hipótese que considera o Antigo Testamento como sendo o produto de diversas fontes diferentes (chamadas de javista, eloísta, sacerdotal e deuteronomista), que foram unidas ao longo da história de Israel.

É como se os alunos de uma escola resolvessem, individualmente, contar a história da turma com uma linguagem própria e mais tarde, por algum motivo, esses relatos fossem unidos num só documento. No texto final, um mesmo professor poderia ser chamado por seu primeiro nome (João), sobrenome (Castilho), apelido (Joca) ou função (professor). É possível que alguns os alunos até trocassem por descuido o nome de algum professor. 

Essa é uma comparação bem simplista, mas que ajuda o leitor a entender essa hipótese (que ficou conhecida como hipótese documental), levantada inicialmente por um pastor protestante chamado Henning Bernhard Witter (1683-1715). Mas para muitos estudiosos, o pai da hipótese documental foi Jean Astruc, médico de Luiz XV e biblista amador. Uma interessante tentativa de explicar como essas fontes foram unidas foi feita por Julius Wellhausen (1844-1918).

É claro que se admitirmos que o Antigo Testamento foi formado dessa maneira  a autoria mosaica terá que ser abandonada. Ele não teria um só autor, mas vários autores. É por essa e outras coisas que a tal hipótese documental tem dado o que falar. 

quinta-feira, 11 de novembro de 2010

FOTO NOTURNA DO DELTA DO NILO

Delta do Nilo numa visão noturna - NASA (clique para ampliar)
A Agência Espacial Americana (NASA) publica diariamente fotos da terra tiradas  da Estação Espacial Internacional. Esta imagem noturna do delta do Nilo, Egito, que você vê acima, foi publicada no dia 08 de novembro. Observe como o Cairo se destaca com sua intensa iluminação.

Observando a terra deste ângulo podemos  acompanhar o roteiro bíblico da caminhada de Moisés rumo à terra prometida. A terra de Gozem, local onde segundo a Bíblia se estabeleceram os descendentes de Abraão, fica à nordeste do Cairo (nr 01 na imagem). A famosa travessia do Mar Vermelho (na verdade Mar dos Juncos) ocorreu provavelmente no norte do Golfo de Suez (nr 02 na imagem). De acordo com a tradição, o monte Sinai (ou Horebe) fica entre os golfos de Suez e Aqaba, no deserto do Sinai (nr 03 na imagem). Para finalizar, a morte de Moisés se deu no Monte Nebo, na margem oriental do Jordão (nr 04 na imagem).

No Mediterrâneo você vê a ilha de Chipre (nr 05 na imagem), cidade natal de Barnabé (cf. At 4,36).

Quer ler mais sobre geografia bíblica aqui no Numinosum? Clique aqui.

Para visitar o site da NASA e ver outras imagens da terra fotografadas da Estação Espacial Internacional, clique aqui. 

quarta-feira, 10 de novembro de 2010

O PADRE ANTÔNIO VIEIRA E A ESCRAVIDÃO NO BRASIL

Por Jones Mendonça

O padre jesuíta Antônio Vieira destacou-se por seus belos sermões e pela forte oposição à escravidão indígena. Suas virtudes são inúmeras, não há como negar. Mas num de seus sermões há uma tentativa de justificar a escravidão dos negros fazendo uma comparação com os filhos de Corá. A comparação que ele faz é a seguinte: assim como os filhos de Corá foram poupados do juízo divino em decorrência da desobediência de seu pai (Nm 26,11), os negros também foram poupados do inferno ao serem trazidos para o Brasil.  Os pecados do seu povo seriam expiados aqui, por meio da escravidão. Em suma, é melhor padecer no Brasil e obter a salvação do que deleitar-se na África e ser lançado no inferno.

Leia este trecho de um sermão realizado na Bahia, à irmandade dos negros de um engenho em dia de São João Evangelista, em 1633:
“Vede se é grande milagre de Providência e Misericórdia divina [...]. Os filhos de Datã e Abirão pereceram com seus pais, porque seguiram com ele a mesma rebelião e cegueira. [...] Pelo contrário os filhos de Coré, perecendo ele, salvaram-se, porque reconheceram, veneraram e obedeceram a Deus: e esta é a singular felicidade do vosso estado, verdadeiramente milagroso” (VIEIRA, Antônio, 2001, pp. 648).
[...]
“Em um engenho sois imitadores de Cristo crucificado: Imitaturibus Christi crucifixi, porque padeceis em um modo muito semelhante o que o mesmo Senhor padeceu na sua cruz, e em toda a sua paixão. A sua cruz foi composta de três madeiros, e a vossa, em um engenho, é de três. Também ali não faltaram as canas, porque duas vezes entraram na Paixão: uma vez servindo como cetro de escárnio, e outra vez para a esponja em que lhe deram o fel. [...] Cristo despido, e vós despidos: Cristo sem comer, e vós famintos: Cristo em tudo maltratado, e vós maltratados em tudo. Os ferros, as prisões, os açoites, as chagas, os nomes afrontosos, de tudo isto se compõe a vossa imitação, que se for acompanhada de paciência, também terá merecimento de martírio”  (VIEIRA, Antônio, 2001, pp. 651).
Se com os negros o padre Antonio Vieira não foi tão benevolente, com os índios não mediu esforços para impedir que fossem escravizados. Numa carta ao rei D. João IV, em 06 de abril de 1654, o padre defende com veemência o direito do índio à remuneração por seu trabalho:
“que os índios sejam pagos de seu trabalho, nenhum índio irá servir a morador algum, nem ainda nas obras públicas...” (HANSEN, João Adolfo (Org.), 2003, p. 449).
Como se vê, o padre Antônio Vieira não é nem santo e nem demônio. Tinha lá suas virtudes e defeitos como qualquer ser humano. De qualquer forma era alguém que estava à frente do seu tempo.

Referências bibliográficas:
VIEIRA, Antônio. Sermões (Tomo I). São Paulo: Hedra, 2001.
HANSEN, João Adolfo (Org.). Cartas do Brasil: 1626-1697, do padre Antônio Vieira. São Paulo: Hedra, 2003.