quinta-feira, 23 de junho de 2016

BÊNÇÃO SACERDOTAL EM AMULETO DE PRATA

Em algum momento entre os séculos VI ou VII a.C. (no tempo do rei Josias) alguém apagou a imagem de uma divindade protetora num amuleto de prata e a substituiu por uma invocação contra o mal usando a seguinte fórmula litúrgica: “‘Yahweh te abençoe e te guarde! Yahweh faça resplandecer o seu rosto sobre ti e te seja benigno!”.

O amuleto foi encontrado em 1979 pelo arqueólogo Gabriel Barklay nas câmaras mortuárias de Ketef Hinnon, a sudeste de Jerusalém. Embora a descoberta não seja capaz de provar que o Pentateuco já estava escrito, demonstra que algumas fórmulas presentes na Bíblia hebraica já circulavam de forma escrita. Antes da descoberta deste amuleto, o mais antigo documento contendo um texto presente na Bíblia era o Papiro de Nash (século I ou II a.C.).


Jones F. Mendonça

quinta-feira, 16 de junho de 2016

TOBIT: JÓ REDIVIVO

Tobit, homem piedoso e justo, após perder seus bens (1,20), sua saúde (2,10) e ouvir de sua esposa: “de que adiantou tua fidelidade” (2,14), lamenta: “melhor é morrer do que viver” (3,6). Isso não lembra Jó? Tem mais: a fé de Jó é provada por Satan (1,6-12; 2,1-7); a fé de Tobit é provada pelo anjo Rafael (12,13).

No final do livro, o Tobit já curado de sua enfermidade exclama: 
Bendito seja Deus! Porque ele me havia punido, e de novo se compadeceu de mim, e agora vejo meu filho Tobias! (11,14b-15).
Este final dispensa comentários. Tobit é quase um Jó redivivo.



Jones F. Mendonça

segunda-feira, 13 de junho de 2016

ARQUEOLOGIA NA LUTHERAN SCHOOL OF THEOLOGY AT CHICAGO

Artefatos arqueológicos do Egito, Síria-Palestina e Mesopotâmia expostos de forma cronológica no site da Lutheran School of Theology at Chicago. Veja aqui.

Na imagem: representação do faraó Sheshonq (século X) ferindo prisioneiros. O faraó é chamado de Sesac no livro de Reis: "No quinto ano do rei Roboão, o rei do Egito, Sesac, atacou Jerusalém (1Rs 14,25).




Jones F. Mendonça

sábado, 11 de junho de 2016

DAS TRADUÇÕES SEM SENTIDO

Sl 74,14 na Almeida Revista e Atualizada: "Tu espedaçaste as cabeças do crocodilo (ro'shey liveiyatan = cabeças do leviatan) e o deste por alimento às alimárias do deserto".

Como assim "cabeças do crocodilo"? Seria um crocodilo cheio de cabeças? É que leviatan não é crocodilo, é isso aí:




Jones F. Mendonça

sexta-feira, 10 de junho de 2016

O COLAPSO NO MEDITERRÂNEO E OS FILISTEUS

Desenho de Emmanuel Rouge feito a partir de um mural no templo
mortuário de Ramsés III

A combinação de uma série de fatores, tais como pragas, terremotos e mudanças climáticas resultou no colapso das civilizações do século XII a.C. que se desenvolveram ao norte e ao leste do Mediterrâneo. Um outro fator foi a invasão dos chamados “povos do mar”, dentre os quais os filisteus, frequentemente citados na Bíblia. No túmulo do faraó Ramsés III foi gravado um dramático registro da chegada dos invasores:  
Os setentrionais em suas ilhas estavam em dificuldade e se moveram em massa, todos ao mesmo tempo. Ninguém resistiu perante eles [...]. A força deles era constituída de filisteus, de Zeker, de Shekelesh, de Danuna e de Weshesh, países que se uniram para pôr a mão no Egito, até o último confim. Os ânimos deles eram de confiança, cheios de projetos (BREASTED, J. H. Ancients records of Egypt, IV 64 = ANET, p. 262).
Mas de onde vieram os filisteus? A teoria mais difundida ligava esse povo às ilhas do mar Egeu. Mas recentes descobertas apontam em outra direção: o sul da Anatólia (atual Turquia). Leia no Haaretz.



Jones F. Mendonça

O COLAPSO NO MEDITERRÂNEO E AS ORIGENS DE ISRAEL

Perto do fim do século XIII a.C. grandes civilizações localizadas entre o mar Egeu e o Oriente Próximo entraram em colapso. A arqueologia confirma a destruição de cidades na Grécia, Turquia, Síria, Líbano e Egito (veja no mapa). Coincidência ou não, a origem de Israel está situada neste período, como parece confirmar registro feito na Estela de Merneptah (1208 a.C.), primeira referência a um povo chamado Israel.

Você pode ler sobre o assunto adquirindo o livro “Para além da Bíblia”, do assiriólogo Mário Liverani, ou de forma gratuita, acessando este artigo publicado no Bible History Daily.

Mapa: Bible History Daily



Jones F. Mendonça

JOSEFO, MANETHO, OS HICSOS E A ORIGEM DE ISRAEL

Flávio Josefo, historiador judeu do primeiro século, liga a origem dos judeus à expulsão dos hicsos (“reis pastores”), povo asiático que dominou o Egito por volta de 1700 a.C. por um período de aproximadamente 100 anos. A informação, tomada de Manetho (historiador egípcio do III séc. a.C.), foi registrada em sua obra “Contra Apion”. Veja:
não menos que duzentos e quarenta mil pessoas atravessaram o deserto em direção à Síria. Temendo os assírios, que dominaram a Ásia naquele tempo, eles construíram uma cidade no país que agora chamamos Judeia. Era grande o suficiente para conter este grande número de homens e foi chamado de Jerusalém.
Embora a associação entre hicsos e israelitas seja problemática, o registro de Josefo merece ser investigado, afinal, quem eram os hicsos? Há alguma ligação entre a expulsão desses asiáticos e a origem de Israel?

Leia mais sobre a expulsão dos hicsos no Bible History Daily: “The Expulsion of theHyksos: Tel Habuwa excavations reveal the conquest of Tjaru by Ahmose I”, por Noah Wiener.




Jones F. Mendonça

segunda-feira, 6 de junho de 2016

TIAMAT E OS MONSTROS DO CAOS

A imagem, reprodução de uma placa datada para o terceiro milênio a.C. mostra a serpente Musmahhu sendo derrotada por Ninurta (que parece ter inspirado a figura bíblica de Nimrod). Na mitologia babilônica o monstro reaparece. Tiamat, divindade associada ao oceano, dá a luz a onze criaturas, dentre elas o monstro serpente de sete cabeças.  

A luta entre divindades e monstros deixou reflexos no livro do profeta Isaías: “Desperta como nos dias antigos [...]. Por acaso não és tu aquele que despedaçou Raab, que trespassou o Tannaiyn?” (Is 51,9). Ou ainda: “Naquele dia, punirá Iahweh [...] a Leviatã, serpente escorregadia, a Leviatã, serpente tortuosa, e matará o monstro [tanniym] que habita o mar.

A imagem e maiores informações sobre o monstro Masmahhu aparecem na obra:
BLACK, Jeremy; GREEN, Anthony. An illustrated dictionary: Gods, Demons and Symbols of Ancient Mesopotamia. London, British Museum Press, 2004, p. 196.





Jones F. Mendonça

FILON DE ALEXANDRIA E A SEXUALIDADE MASCULINA

Fílon de Alexandria, judeu helenista do século primeiro, tratando sobre o mandamento “não adulterarás”, comenta sobre um curioso costume observado em seu tempo:   
Tratados como mulheres, estragam tanto sua alma como seu corpo, não trazendo neles uma única centelha de caráter másculo [...] mas têm os cabelos da cabeça ostentosamente encaracolados e adornados, assim como o rosto lambuzado de rouge, e pintado, e [...] passam lápis sob os olhos e têm a pele ungida com perfumes [devotando-se] à tarefa de transformar seu caráter masculino num caráter efeminado [...]. E algumas dessas pessoas levaram tão longe a admiração desses prazeres delicados da juventude que desejaram trocar por inteiro sua condição pela de mulheres, tendo se castrado e passado a usar vestidos vermelhos (Leis Especiais, III. 7.37-42). 
Num outro comentário critica a “sodomia”: 
O país dos sodomitas era um distrito da terra de Canaã, que os sírios mais tarde chamavam de Palestina, um país cheio de inúmeras iniquidades [...]. E os homens [...] não somente enlouqueceram em busca de mulheres [...] como também houve os que tinham luxúria por outros homens, fazendo coisas impróprias sem considerar nem respeitar sua natureza comum [...], assim, pouco a pouco, os homens se acostumaram a ser tratados como mulheres [e] por causa da efeminação e da delicadeza, se tornaram como as mulheres em suas pessoas, [...] corrompendo desse modo toda a raça do homem (Sobre Abraão 26. 133-36).



Jones F. mendonça

domingo, 5 de junho de 2016

O QUE AS MULHERES QUEREM?

Um estudioso judeu medieval comentando a Qiddushin - tratado judaico do segundo século que lida com questões ligadas ao casamento – reflete sobre a seguinte questão: “o que as mulheres querem?”. Num fragmento o judeu anônimo dispara: “não há nada que a satisfaça mais do que ouvi-la” (Fragmento TS Ar.18). Não foi certeiro?

Mas o autor, “feminista” convicto, vai além. Ele questiona o mesmo tratado por causa da referência ao casamento como uma “aquisição” por parte do marido. Daí ele pergunta: “não seria melhor trocar a palavra 'aquisição' pela palavra 'compromisso'?”, afinal “o papel do noivo na cerimônia é satisfazer a vontade da noiva e agir em conformidade com ela”.

Um verdadeiro gentleman.



Jones F. Mendonça

JOSUÉ E JOSIAS

Assim como alguns teólogos da libertação projetam em Moisés e nos profetas do século VIII (Oséias, Amós e Isaías) elementos da personalidade de um Che Guevara, Josias projetou em Josué suas mais profundas aspirações político-religiosas: a conquista de toda a terra (Norte e Sul) sob a inspiração da “Lei de Moisés”. A cidades conquistadas por Josué “coincidentemente” eram as mesmas desejadas por Josias no século VII, após o vácuo de poder que se formou com enfraquecimento da Assíria.


Jones F. Mendonça

quarta-feira, 1 de junho de 2016

NOS SUBTERRÂNEOS DE JERUSALÉM

Os subterrâneos de Jerusalém numa matéria do Haaretz recheada de fotos em alta resolução, vídeos e informações. Destaque para o túnel de Ezequias (ou de Siloé) e para a caverna de Zedequias. Imperdível para quem se interessa pela história de Jerusalém.

Leia aqui.



Jones F. Mendonça

domingo, 29 de maio de 2016

NOVAS BUSCAS EM QUMRAN

Os manuscritos mais antigos da Bíblia hebraica foram encontrados no final da década de 40 na região de Qumran, nas proximidades do Mar Morto, Israel. Novas escavações no local podem trazer novidades. Leia no Haaretz (só para assinantes):

Não é assinante do Haaretz? Então leia aqui



Jones F. Mendonça

terça-feira, 17 de maio de 2016

E A SERPENTE SE FEZ SATANÁS

O termo satan (=adversário) aparece na Bíblia hebraica de três modos: 

a) precedido de artigo – “HAssatan” = “o adversário” (cf. Zc e Jó), referindo-se a um membro do conselho celestial que atua como “o adversário” de um humano (ver ainda, 1Rs 22,21, 2Cr 18,20, neste caso, “o espírito”); 

b) não precedido de artigo – “satan” = “um adversário”, como Hadad, apresentado como “um adversário” de Salomão (cf. 1Rs 11,14), ou “Adversário”, neste caso, referindo-se a uma figura específica, entendida como “o opositor de Javé”, Deus de Israel (1Cr 21,1), surgida no período pós-exílico, 

c) precedido de preposição – “LEsatan” = “por adversário” (cf. Nm 22,22.32) designando alguém que se coloca “por adversário” de outrem (como o anjo de Javé que se coloca “por adversário” de Balaão).

Mas quando o assunto diz respeito à identificação do “Satanás” do NT (plenamente personificado) com a serpente do Éden, leia este artigo ("How the serpent became Satan"), publicado na Bible History Daily (08/04/16), escrito por Shawna Dolansky, professora e instrutora no programa de Religião da Faculdade de Letras da Universidade de Carleton, em Ottawa, Ontário. Na opinião de Shawa, a ligação entre a serpente do Éden e Satanás sequer ocorre no NT, mas somente nos textos produzidos no período pós-apostólico (Justino Mártir, Cipriano e Tertuliano). Não há nada de novo no artigo, mas trata-se de uma boa síntese e certamente será útil aos interessados no assunto.



Jones F. Mendonça

segunda-feira, 9 de maio de 2016

INTRODUÇÃO À BÍBLIA HEBRAICA (E-BOOK GRÁTIS)

A Society of Biblical Literature disponibiliza gratuitamente para países de baixa renda per capita (como o Brasil) diversos livros na área de teologia no formato PDF (perspectiva acadêmica). Aos interessados, deixo esta sugestão:

COLLINS, John J. Introduction to the Hebrew Bible. Minneapolis: Fortress Press, 2004 (628 pages, 8.9 MB).

No site da Amazon o livro custa em torno de 30 dólares.


Baixe aqui


Jones F. Mendonça

domingo, 8 de maio de 2016

DA MORAL, DOS BONS COSTUMES E DA SANTA PIEDADE

“Nós gostamos da pequena escola onde costumávamos ir. Onde o professor lia a Bíblia e nos ensinava a regra de ouro. Nós vamos colocar uma Bíblia em cada escola de nosso país. [...] Nós pertencemos à Ku Klux Klan”.

Popular canção entoada por membros da Ku Klux Klan. Leia mais aqui.



Jones F. Mendonça

A FORÇA QUE VEM DO ABISMO

José ressurge do poço, Jonas do peixe e Jesus do Hades, numa gravura que ilustra a BíbliaPauperum, século XV. Em "O Senhor dos anéis", o mago Gandalf ressurge do abismo após intensa batalha contra o demônio Balrog sob a ponte Khazad dûn. Um tema antigo, porém ainda poderoso.



Jones F. Mendonça

sexta-feira, 6 de maio de 2016

O PAPIRO DE IPUWER: CRISE E CAOS NO ANTIGO EGITO

O papiro de Ipuwer (segundo milênio a.C.) registra um Egito abalado por uma grave crise social e por catástrofes naturais. Ipuwer lamenta com um rei anônimo a falta de respeito às leis e às autoridades constituídas. Eis alguns dos temas que considerei mais interessantes:

1) Revoltas populares:

“Os nobres estão em perigo, enquanto o pobre está cheio de alegria. Cada cidade diz: ‘Vamos suprimir o poderoso entre nós’" (folha II).

2) Crise religiosa:

“o homem de temperamento quente diz: ‘Se eu soubesse onde Deus está então o serviria” (folha V).  

3) Decadência do clero (lembra as críticas de Oseias, Amós e Isaías):

“Eis que os sacerdotes transgridem com gansos, que são dados [aos] os deuses em lugar de bois” (folha VIII). 

4) Pessimismo e fuga da realidade (lembra os lamentos de Jó):

“Na verdade, é bom quando os homens estão embriagados; eles bebem [...] e seus corações estão felizes” (folha XIII).



Leia mais aqui: 


Jones F. Mendonça

quinta-feira, 5 de maio de 2016

BÍBLIA ELETRÔNICA GRATUITA NOS IDIOMAS ORIGINAIS [E-SWORD]

Interessados em uma Bíblia eletrônica GRATUITA (PC/Windows), em português, incluindo o texto hebraico (AT), grego (NT), dicionário de grego e hebraico, mapas, ferramenta de busca de palavras e diversas outras funções, certamente vão gostar de conhecer a e-Sword:

1. Você pode baixá-la aqui:
2. Instale o programa no seu micro (verifique se funciona e feche-o em seguida);
3. Baixe as ferramentas clicando aqui:
4. Cole todos os arquivos baixados na seguinte pasta do seu micro: C:/arquivo de programas/e-Sword.
5. Reabra a e-Sword e coloque sua barra de ferramentas em português (ou outro idioma de sua escolha) clicando em “options” > “language” > “portuguese”. Deu tudo certo? Então sua e-Sword está pronta para uso.

6. Últimas explicações: as Bíblias devem ser selecionadas nas abas superiores (NVI, BHS - hebraica, GNT-grego, NTLH, etc.). Nas abas inferiores estão os dicionários (Strong, VINE, Ravasi, etc.). À esquerda estão os livros bíblicos (inclui os deuterocanônicos). Todas as Bíblias das abas superiores com o símbolo do “+” (como “BJFA+”), incluem “número de strong” nas palavras do texto. Ao clicar nele o significado da palavra (grego ou hebraico ou latim) aparece no dicionário que fica na barra de abas inferiores. A imagem mostra o texto de Ecl 1,2 (português e hebraico) em paralelo. O código da palavra hebraica (H1892) foi clicado, por isso seu significado aparece no “Strong-PT” numa das abas inferiores.

De todas as Bíblias eletrônicas gratuitas, esta é sem dúvida a melhor.  




Jones F. Mendonça

quarta-feira, 4 de maio de 2016

FÍLON, A MULHER E A SERPENTE DO ÉDEN

Fílon, judeu alexandrino do século I, dando razões para a escolha da mulher como alvo da serpente do Éden: 
a mente da mulher é mais afeminada, de modo que através de sua suavidade facilmente é enganada e capturada por convicções falsas que imitam a verdade (Perguntas e respostas sobre Gênesis I, 34).



Jones F. Mendonça

segunda-feira, 2 de maio de 2016

FÍLON DE ALEXANDRIA E OS SETE DIAS DA CRIAÇÃO

Fílon de Alexandria (25 a.C. – 50 d.C.), judeu helenista, ao explicar que os dias da Criação são simbólicos, usa e abusa de concepções platônicas e pitagóricas. Analogias com o número sete são um tanto curiosas:
Mas a natureza se delicia com o número sete. [...] sete são as secreções [do corpo]: lágrimas, muco do nariz, saliva, líquido seminal, os dois tipos de avacuação [urina e fezes], e o suor que sai de todas as partes do corpo (Interpretação Alegórica I, IV, 8).
O sete, afinal, não é tão delicioso como supõe Fílon.


Jones F. Mendonça

sexta-feira, 29 de abril de 2016

DEUS E O TEMPO EM AGOSTINHO E FÍLON

Geralmente se atribui a Agostinho (354-430 d.C.) a ideia de que o tempo só passou a existir a partir da Criação. Assim, não faria sentido perguntar pelo que Deus fazia ANTES de criar o mundo. Mas o judeu Fílon de Alexandria (Interpretação alegórica I, I, 2) já dizia isso no início do primeiro século. Veja: 
É preciso confessar que o tempo é uma coisa posterior ao mundo. Por isso, seria dito corretamente que o mundo não foi criado no tempo, mas esse tempo teve a sua existência em consequência do mundo.
Leia "Interpretação alegórica I", de Fílon, aqui:



Jones F. Mendonça

sexta-feira, 15 de abril de 2016

ECBÁTANA NOS MONTES ZAGROS


Incrustada nos montes Zagros (Irã, antiga Pérsia) está Hamadan (antiga Ecbátana), citada no livro bíblico de Esd 6,2:
O rei Dario mandou então fazer uma pesquisa nos arquivos da Babilônia, onde se guardavam os tesouros. Encontrou-se um rolo na cidadela de Ecbatana, na província da Média.
Veja no Google Maps.



Jones F. Mendonça

A BÍBLIA E OS ÓSTRACOS DE ARAD

Questão discutida entre acadêmicos: os livros mais antigos do Antigo Testamento foram redigidos antes ou depois da destruição de Judá e sua capital Jerusalém pelos babilônios em 586 a.C.?

Aos interessados no assunto, sugiro esta matéria publicada no Haaretz (segue trecho):
Uma equipe de pesquisadores da Universidade de Tel Aviv diz ter provas de que antiga Judá teve uma alta taxa de alfabetização e um sistema educacional sofisticado, tornando possível a redação do mais antigo núcleo da Bíblia no período do Primeiro Templo.
Leia mais aqui.

Uma opinião mais cautelosa (do prof. Rollston), aqui.

Jones F. Mendonça

O "PORTÃO DOS INFERNOS" AINDA ESTÁ DE PÉ (AINDA BEM)

Vários jornais estão anunciando a destruição de um dos 15 portões da antiga Nínive (moderna Mossul) pelo estado Islâmico: o portão de Mashqi. Mas as fotos mostram, de forma equivocada, o magnífico portão de Nergal, deus dos infernos, guardado por um imponente Lamassu. É o "copia e cola" do jornalismo...

Veja os 15 portões de Nínive aqui:



Jones F. Mendonça

MOISÉS COM CHIFRES NO TEXTO E NA ARTE

“A morte de Moisés”, por Alexandre Cabane (1850), como retratando em Ex 34,29. Repare que Moisés aparece com cornos, com chifres de luz.

Ex 34,29, traduzido de forma literal, diz: “E Moisés não sabia que ‘tinha chifres’ [hebraico = qaran] a pele de seu rosto” (umoshé lo-yada ki karan or panav). Jerônimo traduziu o texto para o latim assim: “cornuta esset facies sua”. Isso explica o Moisés chifrudo retratado pelos artistas renascentistas.

Mas será que Moisés foi realmente retratado com chifres no texto bíblico? No hebraico qeren – substantivo da mesma raiz verbal qaran (QRN) - é empregado com sentido “poder”, “força”, como em 1Sm 2,1: “o meu chifre [=qeren] se exalta em meu Deus”, ou seja, “meu poder se exalta em meu Deus”. Ou ainda no Sl 132,17: “em Ali farei brotar um chifre [=qeren; força, descendência] para Davi.

Infelizmente a forma verbal “qaran” só aparece em Ex 34, dificultando a tradução. Há quem pense que a imagem dos chifres evoque raios de luz. Talvez indique de seu rosto saia poder. Uma última hipótese, mais polêmica, sugere que Moisés realmente é retratado no texto com chifres, tal como Baal, por exemplo. Será?

Curioso é que em 34,33 Moisés cobre o rosto com um “masveh”, termo traduzido por “véu”, sugerindo que a ideia era impedir que o brilho de seu rosto ofuscasse os “filhos de Israel”. Ocorre que a palavra também só aparece neste capítulo. O objeto seria mesmo um véu? Por que Moisés precisava esconder o rosto? O que ele escondia? Chifres? Raios de luz?

Você tem um palpite?



Jones F. Mendonça

quinta-feira, 7 de abril de 2016

NUMINOSUM NO FACEBOOK

As publicações postadas no Numinosum também estão disponíveis no Facebook. Para acessar, logue-se e clique aqui


Jones F. Mendonça

PROCURA-SE SACERDOTE RITUALMENTE PURO

O Instituto do Templo, instituição empenhada em reconstruir o templo de Jerusalém destruído em 70 d.C. pelos romanos, está em busca de homens (judeus) ritualmente puros para exercer o ofício de sacerdote. Ficou animadinho? Bem, se você nasceu num hospital ou visitou um cemitério em algum momento de sua vida, esqueça!

Leia mais aqui.


Jones F. Mendonça

JESUS COM ENXADA EM CÉU DOURADO

Esta tela, de Jacopo di Cione (1365-1398 / 1400), mostra Jesus ressurreto em sua primeira aparição (à Maria Madalena, cf. Jo 20,17). O céu dourado é influência da arte bizantina. Mas por que Jesus é retratado segurando uma enxada?




Leia mais aqui.



Jones F. Mendonça

MATEMÁTICA E ARTE

ARS QUBICA from Cristóbal Vila on Vimeo.