quarta-feira, 19 de julho de 2017

O MUNDO ISLÂMICO E A SABEDORIA ESQUECIDA

Ibn Khaldum, sábio muçulmano do século XIV, enaltecendo a figura de Al-Mamun como responsável pelo resgate da sabedoria grega, por tanto tempo esquecida: 
De uma só nação, a Grécia, possuímos exclusivamente as produções científicas graças ao amor e à solicitude de Al-Mamun [início do século IX] que encarregou sua tradução da língua original [...] Exceto essas ciências, nada conhecemos dos demais povo” (BISSIO, Beatriz. O mundo falava árabe, 2012, p. 2358, versão Kindle).
A Europa “renasceu” pela pena dos árabes muçulmanos.



Jones F. Mendonça

DA ASCENSÃO E DO DECLÍNIO

Enquanto Al-Radish e Al-Mamun no Oriente estavam se aprofundando na filosofia grega e persa, seus contemporâneos no Ocidente, Carlos Magno e seus nobres, estavam engatinhando na arte de escrever o próprio nome (P. K. Hitti, History of the Arabs. Londres: Macmillan, 1937, p. 315.).
Com o tempo este quadro praticamente se inverteu. A Europa alavancou e o Oriente islâmico mergulhou nas trevas. Sob o véu do mesmo Islã o povo de Alá ascendeu e declinou.



Jones F. Mendonça

DOS HISTORIADORES E BAJULADORES

Ibn Khaldun, sábio muçulmano do século XIV, criticando historiadores que, para conquistar favores dos príncipes ou altos funcionários, escrevem histórias contaminadas de exageros e mentiras: 
Introduziram no meio destas narrações dados incertos e indicações falsas tiradas da própria imaginação ou embelezamentos falseados com o auxílio de tradições de fraca validade. [...] não se empenharam sequer em indagar a possibilidade e a natureza dos fatos, aprofundando as causas ou levando em consideração as circunstâncias que os rodeara” (ARAÚJO, Richard Max. Ibn Khaldun: a idéia de decadência dos estados, 2007, p. 60).
Parece descrever nossa imprensa...


Jones F. Mendonça

segunda-feira, 10 de julho de 2017

LUTERO E O DECRETO MALDITO

Johanes Gratian (ou Gratiano) - monge e estudioso do século XII - é considerado o fundador do direito canônico. Em sua exaustiva obra canônica, Decretum, Gratiano compilou leis canônicas, informações históricas e práticas litúrgicas.

O trabalho de Gratiano permaneceu como texto principal de direito canônico da Igreja até o Concílio de Trento (1545-1563). Lutero, que conhecia bem o direito canônico de seu tempo, explodiu indignado com este trecho, chamado por ele de “fundamento maldito”: 
Se o papa fosse tão perniciosamente mau, a ponto de levar ao diabo uma multidão de almas, ainda assim não poderia ser deposto (Decretum Gratiani, parte I, distinctio XI, cânone 6).
Na verdade Lutero disse mais: afirmou que fora ditado pelo próprio diabo-chefe!



Jones F. Mendonça

quarta-feira, 5 de julho de 2017

CALIFADO ISLÂMICO: FONTE DO SABER

1. O Renascimento europeu aconteceu graças ao trabalho de tradução da literatura clássica (greco-romana) feita por árabes muçulmanos do califado de Bagdá (abássidas). Naquele tempo um "califado islâmico", quem diria, era fonte de saber...

2. O fluxo de conhecimento entre Bagdá e o reino muçulmano instalado no sul da Espanha aumentou no século IX, permitindo que a Europa tivesse acesso ao conhecimento dos antigos.

3. Isso explica a posição de destaque dada a Averróis, sábio muçulmano da Andaluzia, na tela “A escola de Atenas” (1509/11) de Rafael Sanzio.

4. A expressão “califado” converteu-se em sinônimo de "reino de terror" graças ao radicalismo islâmico (sobretudo do ISIS), produto do século XX, nascido a partir da fragmentação do império turco otomano, ocorrida após a primeira Guerra Mundial.

5. Entenda: Jihad pode ser “guerra contra o eu”, mas também pode ser “guerra contra os infiéis”. “Lei de Deus” pode ser compreendida como “Lei do amor”, mas também como “lei da espada”, como aconteceu no período das Cruzadas e na teocracia calvinista de Genebra.

6. Religiões são como barro na mão do oleiro. Podem estar a serviço do amor, mas também da guerra, da opressão e do terror. E não há uma que escape dessa ciranda perversa.


Jones F. Mendonça