quarta-feira, 5 de julho de 2017

CALIFADO ISLÂMICO: FONTE DO SABER

1. O Renascimento europeu aconteceu graças ao trabalho de tradução da literatura clássica (greco-romana) feita por árabes muçulmanos do califado de Bagdá (abássidas). Naquele tempo um "califado islâmico", quem diria, era fonte de saber...

2. O fluxo de conhecimento entre Bagdá e o reino muçulmano instalado no sul da Espanha aumentou no século IX, permitindo que a Europa tivesse acesso ao conhecimento dos antigos.

3. Isso explica a posição de destaque dada a Averróis, sábio muçulmano da Andaluzia, na tela “A escola de Atenas” (1509/11) de Rafael Sanzio.

4. A expressão “califado” converteu-se em sinônimo de "reino de terror" graças ao radicalismo islâmico (sobretudo do ISIS), produto do século XX, nascido a partir da fragmentação do império turco otomano, ocorrida após a primeira Guerra Mundial.

5. Entenda: Jihad pode ser “guerra contra o eu”, mas também pode ser “guerra contra os infiéis”. “Lei de Deus” pode ser compreendida como “Lei do amor”, mas também como “lei da espada”, como aconteceu no período das Cruzadas e na teocracia calvinista de Genebra.

6. Religiões são como barro na mão do oleiro. Podem estar a serviço do amor, mas também da guerra, da opressão e do terror. E não há uma que escape dessa ciranda perversa.


Jones F. Mendonça