terça-feira, 4 de maio de 2010

HAVIA UMA CORDA NO TORNOZELO DO SACERDOTE AO ENTRAR NO SANTO DOS SANTOS?

É muito comum ouvir em pregações, livros evangélicos, sites da Internet é até mesmo em comentários bíblicos que os sumo sacerdotes tinham uma corta atada ao tornozelo por ocasião de sua entrada no Santo dos Santos no Yom Kippur (Dia do Perdão). O objetivo desse costume seria o de permitir o resgate do corpo do sumo sacerdote caso fosse consumido pela ira divina, mas seria isso verdade?

Todd Bolen, professor de Estudos Bíblicos no Israel Bible Extension do The Master’s College, Santa Clarita, Califórnia, USA, afirma que é isso um mito. Ele destaca que esse costume
“não é encontrado em nenhuma fonte antiga, incluindo a Bíblia hebraica, o Novo Testamento, os Manuscritos do Mar Morto, Flávio Josefo [historiador judeu do primeiro século], os apócrifos, a Mishnah, o Talmude babilônico ou o Talmude de Jerusalém”[1].
A mais antiga referência que o professor Todd Bolen conhece está no Zohar, uma coleção de comentários místicos sobre a Torá surgido no século 13 d.C. A citação seria a seguinte:
“O nó de uma corda de ouro pende de uma perna, talvez por medo que ele morresse no Santo dos Santos, e eles seriam obrigados a retirá-lo com esta corda”.
Ainda que Todd Bolen seja digno de confiança, resolvi consultar outras fontes. Achei isso:
“the Zohahr (a text of Hasidic Judaism) records the tradition that people outside the Holy Place took precautions for removing the high priest's body (by means of a rope attached to his ankle) if the should have an improper thought while performing his duties before the Ark and be killed”[2].
“a Zohar (um texto do judaísmo hassídico) registra a tradição de que as pessoas fora do Lugar Santo tomavam precauções para remover o corpo do Sumo Sacerdote (por meio de uma corda amarrada ao tornozelo), caso morresse após ter um pensamento inadequado durante a execução de suas funções diante da Arca”.
E isso: 
“of a tradition found in the zohar, i.e., a rope  was attached to the high  priest for the purpose of dragging him out off the holy place should he die there”[3].
“uma tradição encontrada no Zohar [afima que] uma corda era atada ao sumo sacerdote, a fim de arrastá-lo para fora do lugar sagrado caso ele morresse por lá.
Estes dois textos confirmam que essa tradição teve início na Zohar. Quem ainda não estiver convencido pode ler o artigo do Rabino Dr. Ari Zivotofsky Z. Ele também contesta a Zohar:
“Embora tenha havido uma real preocupação por parte do Kohen Gadol [Sumo Sacerdote] por sua sobrevivência, não há nenhuma referência a essa prática na Mishná, Talmud e Midrash. O Zohar, no entanto, afirma que uma corrente de ouro era amarrada ao tornozelo do Kohen Gadol, mas outras fontes, tanto haláchicas e agádicas, poderiam questionar esta afirmação”[4].  
Após tudo isso eu acho que não dá mais para continuar insistindo nessa história. Mas a decisão é sua...

Notas:

[2] PRICE, Randall. The Ark of the Covernant. Eugene, Oregon: Harvest House Publishers, 2005, p. 120

[3] Zohar Achrei Mot 67a; Zohar Emor 102a apud MACKIE, Scott D. Eschatology and Exhortation in the Epistle to the Hebrews. Tübingen, Germany: Mohr Siebeck, 2007, p. 203.
[4] Disponível em: <http://www.ou.org/index.php/jewish_action/article/57327/> acesso em 05 de maio de 2010.

22 comentários:

  1. Gostei muito da matéria Jones!Uma vez o sacerdote morto. Qual devoto tería coragem de entrar no Santo dos Santos para retirar o pobre pecador?

    Erli José de Carvalho

    ResponderExcluir
  2. O Erli fez uma boa pergunta....o Jones poderia pesquisar como seria se isso ocorresse..

    ResponderExcluir
  3. Pois é Erli, mas ao que parece essa história de corda no tornozelo só começou no final da Idade Média.

    Preciso falar com você. Te lido em breve. Obrigado pela visita ao Blog.

    Um abraço!

    ResponderExcluir
  4. Nunes,

    Vejamos as hipóteses possíveis:

    ( )Arcas e templos nunca mataram pessoas (versão Tione),
    ( )Havia um cachorrinho treinado que apanhava os defuntos,
    ( ) Quando morria, o sumo sacerdote virava pó, tornando desnecessário o seu resgate.

    E aí?

    ResponderExcluir
  5. Adorei a resposta....

    Nós sempre partimos da ideia inicial da morte do sacerdote... kkkkk

    Nunca tinha pensado nisso por esse prisma..
    Minha inocência é constrangedora...

    ResponderExcluir
  6. Realmente a Biblia nao cita corda. Mas, se houvesse a morte do sumo sacerdote, um outro seria eleito em seu lugar e, poderia puxar o defunto. (Jairo)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Me mostra na SagradasEscrituras um sacerdote morto no lugar Santos dos Santos

      Excluir
  7. É verdade Jairo. Não precisamos da corda para solucionar o problema. Joachim Jeremias relata em seu livro "Jerusalém no tempo de Jesus" que sacerdotes eram contratados para trabalhar no templo de Herodes, pois só eles poderiam ter acesso à determinados lugares considerados santos.

    ResponderExcluir
  8. Muito legal o post amado. surgiu essa duvida na classe de escola biblica e realmente fiquei sem saber ao certo, engraçado que sempre ouvia esse boato mas nunca me dei ao trabalho de conferir a fonte, e pelo visto a biblia realmente nao fala nada de corda, apenas do sino. muito boa a explicação e as fontes citadas ajudam muito. vou repassar para o pessoal da igreja. um abraço!

    ResponderExcluir
  9. Deivid,

    Como se vê, tal artifício foi criado na idade média por místicos judeus. Com o tempo... virou verdade!

    Um abraço!

    ResponderExcluir
  10. No mínimo é mais coerente acreditar na história da "corda", porque cachorro e virá pó...

    Muito bom o post.
    Um abraço.

    ResponderExcluir
  11. gostaria de pedir os amados irmaos para que possam me informar em que lugar da Biblia encontra-se a passagem onde Davi entra no Santo dos Santos amarrado por uma corda os sacerdotes puxam a corda e veem que nao tem nada nela, sendo que Davi a desamarrou e voltou perante Israel como prova de que ele foi perdoado perante Deus por seu pecado

    ResponderExcluir
  12. Tal passagem com certeza não existe. Pelo menos na Bíblia...

    ResponderExcluir
  13. Legal,
    O Jairo disse que se um sacerdote morre, outro é levantado para entrar no lugar e tirar o defunto. Agora que o mito da corda morre, alguém trata logo de levantar outro: Davi se desamarra da corda... rsrsrs

    ResponderExcluir
  14. (Êx 28. 34-35)
    "Uma campainha de ouro, e romã, outra campainha de ouro, e romã, haverá nas bordas do manto ao redor, e estará sobre Arão quando ministrar, para que se ouça o sonido,quando entrar no santuário diante do Senhor, e quando sair, para que não morra"
    E QUANDO SAIR PARA QUE NAO MORRA, portanto o cuidado da purificação vestes etc era para que quando saisse nao morresseentao fica claro que num lugar tão santo nao morreria mesmo pq era proibido tocar em um morto

    ResponderExcluir
  15. O sacerdote deveria se purificar primeiro antes de entrar no lugar santo como ele iria tocar num defunto sendo q isto o tornaria imundo

    ResponderExcluir
  16. Justo o que eu procurava sobre cordao digital

    ResponderExcluir
  17. Achei ótimo as explorações...
    Agora né diz uma coisa se o sumo sacerdote estivesse em pecado Deus iria matar ele... E será que iria sobrar corpo ou iria virar vinda

    ResponderExcluir
  18. Também pergunto...
    Se o sumo sacerdote morresse todo o povo morreria, pois o sumo sacerdote representava o povo.

    ResponderExcluir
  19. Esse negócio de corda é mito mesmo,pois nenhum sumo sacerdote morria dentro do Santo dos santos,salvo se entrasse em demasia no santuário,ou seja,se quisesse entrar a todo momento(Lv16.2).
    Nenhum sumo sacerdote entrava em pecado dentro do santuário pois antes de oferecer sacrifício pelo povo ele oferecia por si mesmo e pela sua casa(Lv 16.6).
    Em Levítico 16.1-34 há uma descrição completa sobre este ato,eis um resumo:


    "Purificava-se com água; vestia-se com vestes santas de linho; matava um novilho para fazer expiação por si e pela sua família; tomava uma vasilha de brasas do altar e entrava no lugar Santo dos Santos, para que a nuvem de incenso cobrisse o propiciatório, que era o lugar da expiação, da propiciação e da reconciliação. Depois saía e tomava o sangue do novilho, e entrava pela segunda vez, no lugar santo com o sangue e o aspergiria sete vezes sobre o propiciatório e diante dele; matava o bode para a oferta pelo pecado, ultrapassaria o véu pela terceira vez e faria com o seu sangue como tinha feito com o sangue do novilho; fazia expiação pelo lugar santo e pelo altar do holocausto; colocava as mãos sobre a cabeça do bode vivo, confessava os pecados do povo e enviava o bode para o deserto; depois tirava as vestes de linho e se lavava, colocava outra roupa e oferecia uma oferta por si e pelo povo."

    ResponderExcluir