terça-feira, 11 de maio de 2010

MOISÉS, O SINAI E A TEOFANIA VULCÂNICA


Olhando para a imagem da erupção do vulcão Eyjafjallajokul, em de 17 de abril de 2010, não há como não se lembrar da passagem bíblica que descreve Moisés no Sinai:
“todo o povo presenciava os trovões, e os relâmpagos, e o sonido da buzina, e o monte a fumegar; e o povo, vendo isso, estremeceu e pôs-se de longe” (Ex 20,18).
A teofania do Sinai é uma clara descrição de uma erupção vulcânica. Não que Moisés estivesse de fato num vulcão (não havia vulcões ativos no Sinai no século XIII a.C.), mas essa é apenas uma descrição literária. Antonius Gunneweg  chama isso de “teofania vulcânica”[1]. Até mesmo o “sonido de buzina” é ouvido durante uma erupção, que surge quando os gases se desprendem do solo. Há vulcões em Midiã, terra do sogro de Moisés. Teria vindo de lá essa descrição aterradora de Yahweh?


Nota:
[1] GUNNEWEG, Antonius. Teologia bíblica do Antigo Testamento, 2005, p. 103.