quarta-feira, 2 de abril de 2014

ACERCA DO CIRCO E DO SEXO ENTRE OS PRIMEIROS PADRES

Você pode ler Lutero em “Obras selecionadas”, mas o “selecionadas” já diz muita coisa. Você pode ler a respeito dos chamados pais apostólicos ou dos apologistas nos livros sobre cristologia, eclesiologia ou teologia fundamental, mas o caráter apologético de tais obras também sugere que se trata de uma seleção. Não quer ler um teólogo com as lentes de outro teólogo? Então arregace as mangas e se debruce sobre as obras originais. Com certeza terá muitas surpresas (com direito a muitas risadas).

Tertuliano condenando a participação dos cristãos nos espetáculos públicos romanos (neste trecho ele condena o teatro):
Pensais ainda que o uso de máscaras seja aprovado por Deus? Pergunto-vos. Se ele proíbe toda a espécie de simulacros, quanto mais não proibirá que se desfigure a sua imagem? Não, não: o autor da verdade não poderia aprovar nada de falso. Se ele condena todas as espécies de hipocrisia, perdoaria a um ator, que imita a sua voz, a sua idade, o seu sexo? Que finge estar apaixonado ou encolerizado? Que chora lágrimas falsas, e emite falsos suspiros? (De spetaculis, 23).

Clemente de Alexandria e a sexualidade do cristão (inspirado no estoicismo): 
O casamento é o desejo da procriação e não a ejaculação desordenada do esperma que, aliás, é contrária tanto à lei quanto à razão (Pédagoge, II, 10).

Em bom latim: "matrimonium autem est filiorum procreationis appetitio, non inordinata seminis excretio, quae est et praeter leges eta ratione aliena".

Os pais da Igreja (em inglês) aqui

Jones F. Mendonça