terça-feira, 22 de abril de 2014

SÓCRATES E A POPOZUDA DO FUNK

Um pouco atrasado, mas lá vai:

Antônio Kubitschek é professor de filosofia numa escola de Brasília. Ele elaborou uma prova e inseriu uma questão colocando a funkeira Valesca Popozuda como “pensadora contemporânea”. A ideia era provocar os alunos. Como qualquer bom professor queria que refletissem. A polêmica explodiu no Facebook. Alguns viram a questão como uma ameaça à moral e aos bons costumes. Outros como uma afronta aos ilustres intelectuais de nosso tempo. Outros ainda como uma clara evidência do baixo padrão do ensino público no Brasil.

O julgamento foi precipitado e preconceituoso. Interpretaram a questão sem levar em conta a didática do professor, a matéria que estava sendo lecionada, o tipo de aluno e a intenção por trás do exercício proposto. Aliás, seu objetivo foi muito bem explicado numa entrevista que quase ninguém viu (ou quis ver). E pensar que Sócrates, um dos maiores pensadores da antiguidade, filosofava no mercado popular de Atenas com semelhante deboche e bom humor. Seu destino? Morreu envenenado com um cálice de cicuta após ter sido acusado de “perverter os jovens”. A mesma acusação e sentença foram dadas ao nosso ilustre professor de Brasília. A diferença é que hoje o julgamento e a “cicuta” são administrados via Facebook.



Jones F. Mendonça