quarta-feira, 26 de março de 2014

O MONÓLITO DE KURKH E O REI ACABE DE ISRAEL

Monolito de Kurkh, Museu Britânico
Descoberto em 1861 em Kurkh, Turquia, o monólito foi esculpido por volta de 853 a.C. pelos assírios com o propósito de registrar a vitória de Salmaneser III (858-824) sobre uma liga de 12 reis na região de Qarqar. De acordo com a inscrição os principais líderes dessa liga foram Irhuleni, de Hamate; Hadadezer, de Harã e Acabe, de Israel (citado em 1Rs 16-22). Ao lado da Estela moabita (ou estela de Mesha, 850 a.C.) a descoberta seria uma importante evidência da influência do reino de Israel (do Norte, sob a dinastia dos omridas) na região. 

Na monólito de Kurkh o nome de Acabe aparece grafado como “A-ha-ab-bu KURSir-‘i-la-a-a”, e tem sido geralmente traduzido como “Acabe de Israel”. Mas a identificação de A-ha-ab-bu com Acabe esbarra em alguns problemas. Um deles é que a Bíblia hebraica fala de uma guerra entre Acab e o rei Ben-Hadade (1Rs 20 e 22).
Ora, Ben-Hadade, rei da Síria, ajuntou todo o seu exército; e havia com ele trinta e dois reis, e cavalos e carros. Então subiu, cercou a Samaria, e pelejou contra ela (1Rs 20,1).

Ora, é extremamente improvável que o rei da Damasco tenha empreendido ações bélicas contra um aliado imediatamente após a batalha de Qarqar. Ou A-ha-ab-bu não é Acabe ou a batalha descrita em 1Rs 20 e 22 foi registrada de forma anacrônica (é o que pensa Herbert Donner em “História de Israel e dos povos vizinhos”, p. 305). O silêncio da Bíblia quanto a essa batalha e a incerteza quanto à correta identificação de Sir-‘i-la-a-a com Israel (Israel ou Jezreel?) também enfraquecem a teoria de que a inscrição contenha uma referência a Acabe.  A questão permanece aberta.

Apesar da coalizão entre os reis do corredor Siro-palestino a Assíria avançou até a Cicília, colocando Tiro e Sidon sob seu controle. Após um declínio de poder iniciado em 783 a.C., a Assíria retomou seu vigor com Teglat-Falasar III (745-727 a.C.) que marchou através da Síria e da Palestina chegando até Gaza, na costa do Mediterrâneo. Fracassada a tentativa de impedir o avanço assírio (ver: GuerraSiro-efraimita), Samaria sucumbiu diante das tropas de Salmanasar V (727-722). A população da capital de Israel foi deportada para várias partes do império com Sargão II (722-705), um usurpador assírio que dominou a Babilônia e estendeu suas campanhas até a fronteira com o Egito.



Jones F. Mendonça