quinta-feira, 9 de junho de 2011

PARA CONHECER O MAXIMALISMO: WALTER VOGELS

Um livrinho bom para quem deseja conhecer os argumentos dos maximalistas bíblicos é: "Abraão e sua lenda", de Walter Vogels. Aliás, todos os livros da "Coleção Bíblica" da Loyola são excepcionais. Temas complexos são abordados com muitas maestria e simplicidade pelos autores. Abaixo um trecho onde Vogels defende a historicidade dos patriarcas:
"Se os autores bíblicos tivessem inventado as tradições dos patriarcas, inspirando-se na religião que eles próprios praticavam, os relatos teriam sido bem diferentes"[1]. 
E que diferenças seriam essas? Vogel argumenta que se os patriarcas tivessem sido inventados ou no século X (cf. Thomas Thompson) ou VI (cf. Van Seters), eles teriam sido descritos observando o sabbat ou as leis concernentes aos alimentos. Mas surpreendentemente, nos diz Vogels, Abraão aparece construindo altares em lugares diversos e plantando árvores sagradas, práticas proibidas pela lei mosaica. Em suma, se os patriarcas são projeção do presente (séc. VI ou X) para um passado distante (séc. XIX), como eles puderam ser descritos em tamanha desarmonia com o modo de vida que se tinha entre os séculos VI e X? 

Mas o leitor deve estar atento. Vogels não pretende provar a historicidade dos patriarcas com tais argumentos. Ele apenas sugere que essa ainda é uma possibilidade real. E desejável...

Nota:
VOGELS, Walter. Abraão e sua lenda, p. 32-33. 


Jones F. Mendonça