quarta-feira, 21 de julho de 2010

PERGAMINHOS DE QUMRAN FORAM FEITOS COM MATERIAL DA PRÓPRIA REGIÃO, AFIRMA ESTUDO.

Os Pergaminhos do Mar Morto, uma coleção de cerca de 900 documentos altamente fragmentados, são considerados uma das maiores descobertas arqueológicas do século 20. Eles contém os mais antigos registros do Antigo Testamento e tem quase 2.300 anos de idade. Além dos textos bíblicos, os manuscritos contém material apócrifo e escritos sectários, que datam entre 100-200 a.C a 70 d.C.

Giuseppe Pappalardo, físico do INFN, analisou fragmentos do manuscrito usando uma nova técnica criada por ele chamada "XPIXE" (X-ray and Particle Induced X-ray emission) e um acelerador de partículas. Os testes demonstram que os manuscritos foram confeccionados no local.
"Basicamente, estamos concentrados na água. Como a maioria dos outros pergaminhos, o Rolo do Templo era feito de pele animal, que para ser produzido passava por uma intensa lavagem. Nosso objetivo foi comparar e eventualmente encontrar uma correspondência entre a composição química do pergaminho e peculiares químicas da água da área em que o pergaminho foi encontrado", disse Pappalardo à Discovery News.
Os testes de raios-X mostraram que todos os fragmentos continham cloro numa proporção que era aproximadamente três vezes maior do que normalmente é encontrado em água do mar. Os pesquisadores concluíram as águas do Mar Morto podem ter sido utilizadas no processo de confecção dos manuscritos.
"Nosso estudo centrou-se sobre o pergaminho, nós ainda não sabemos onde o livro foi escrito. Estamos planejando agora a analisar a tinta", disse Pappalardo.
De acordo com Ira Rabin, um cientista do Instituto Federal para Investigação de Materiais, em Berlim, Alemanha, a tecnologia italiana é importante, mas deve ser usada em combinação com outras técnicas, que são necessárias para validar as suposições feitas pelo método experimental.