sexta-feira, 12 de julho de 2013

FUNDAMENTALISMO II

Willian Pane Crash, famoso apologista cristão, doutor em filosofia pela faculdade de Westflubsxbzy sobe ao púlpito. Faz breves apresentações e diz que é possível apresentar argumentos racionais que justifiquem a presença de uma serpente falante no Éden. A plateia está ansiosa, afinal é muito elegante possuir argumentos racionais para a fé. Enfim, ninguém quer ser taxado de ignorante.

Crash começa seu discurso dizendo que tanto a ciência quanto a religião têm pressupostos nos quais se assentam. A ciência - enfatiza o doutor - observa, analisa, experimenta. Os cientistas crêem (ele enfatiza o “crêem”) que as observações, análises e experimentos científicos podem descrever a realidade. A religião, ele diz, crê (ele enfatiza o "crê") que um Deus Todo-Poderoso existe e que, portanto, pode fazer uma serpente falar. Partindo desse princípio, ele conclui: não é irracional dizer que uma serpente falou. Ah, tá...

PS: Meu amigo, se você crê que uma serpente falou no Éden, que árvores ardem sem queimar ou que machados flutuam, tudo bem, não se sinta envergonhado.  Todo mundo (ou pelo menos a grande maioria das pessoas) possui crenças que extrapolam os limites da razão. Agora para com essa conversa de “argumentos racionais”. Negócio doentio.



Jones F. Mendonça