sexta-feira, 25 de março de 2011

OS INTELECTUAIS E O SIONISMO

O filósofo judeu de origem sefardita, Edgar Morin, o sociólogo e catedrático argentino Sami Nair e a escritora francesa Daniéle Sallenave expressaram suas opiniões a respeito da situação dos palestinos frente à política de Israel num artigo intitulado “Israel-Palestina: o câncer” (Le Monde, 04/06/02). Abaixo, um pequeno trecho do documento (fiz uma tradução do espanhol):
Os judeus que foram humilhados, desprezados, perseguidos, humilham, desprezam e perseguem os palestinos. Os judeus, que foram vítimas de uma ordem impiedosa, impõem sua ordem impiedosa aos palestinos. Os judeus, vítimas da desumanidade, mostram uma terrível desumanidade […] o povo eleito atua como a raça superior [1].
Outro intelectual judeu que acusa Israel de praticar o racismo é Norman G. Finkelstain, filho de prisioneiros judeus no campo de extermínio de Auschwitz:
Se os israelenses não querem ser acusados de ser como os nazistas, eles só precisam parar de se comportar como nazistas[2].
Leio o Haaretz (jornal israelense de esquerda) sempre que posso. É incrível perceber que muito do que é denunciado lá em relação aos abusos cometidos contra os palestinos não aparece na mídia ocidental. Efatá!

Notas:
[1] Cf. BRUCKNER, Pascal. La tiránia de la penitencya: ensaio sobre lo masoquismo occidental, p. 63.
[2] Epígrafe do livro italiano “Israele uno Stato razzista”, de Mario Moncada di Monforte. Texto traduzido do italiano.