terça-feira, 12 de janeiro de 2010

A REFORMA PROTESTANTE NA VISÃO DO PADRE ANTÔNIO VIEIRA

Por Jones Mendonça

São belíssimos os sermões do Padre Antônio Vieira. Sua retórica é impecável, o conteúdo do seu discurso é conhecido pela riqueza de informações, consistência e coerência. Lendo um de seus sermões achei curiosa e digna de publicação sua referência a Lutero e Calvino como “dois monstros mais que infernais do nosso século”. No sermão, cheio de ironia, ele imagina que os ensinamentos dos reformadores seriam uma ameaça a algumas práticas cristãs, tais como a oração, o jejum e a esmola. Ouçâ-mo-lo:

Sermão no Sábado Quarto da Quaresma

Em Lisboa, ano de 1652

“Escrevestes em ambos os Testamentos a necessidade e merecimento das boas obras: e virá um Lutero que não só negue serem necessárias as boas obras para a salvação, mas se atreva a dizer que todas as boas obras são pecado (e pudera acrescentar), pecado em que nunca pecou Lutero. Assim o ensinaram ele e Calvino (aqueles dois monstros mais que infernais do nosso século) para tirar do mundo a oração, o jejum, a esmola, a castidade, a penitência, os sufrágios, os Sacramentos...”[1].

Vivesse mais um pouco teria visto como o pietismo ia contrariar tudo o que imaginou que acontecesse com o movimento protestante...




[1] VIEIRA, Antônio. Sermões, vol. 1. São Paulo: Hedra, 2000, p. 218.