quarta-feira, 23 de dezembro de 2015

DAS CONDECORAÇÕES

A condecoração entregue ao valente não foi criada com o propósito de honrá-lo, mas para estimular os demais a exercitarem a coragem e as virtudes que o soberano valoriza. Não é, portanto, um presente, uma dádiva, mas uma isca. Daí a fala de Maquiavel em seu diálogo fictício com Montesquieu na obra de Maurice Joly: 
Tais coisas [as condecorações] não custam quase nada ao príncipe e ele pode tornar as pessoas felizes, melhor até, fiéis, por meio de laços de fita, ninharias de prata ou de ouro. [...] Um homem condecorado é um homem amarrado (Diálogo no inferno, 2009, p. 322).
Tolo é quem não vê. 


Jones F. Mendonça