sábado, 1 de junho de 2013

O CONFLITO NA SÍRIA

Hoje, ocorre dentro do território sírio um confronto entre dois eixos de poder. Não se trata de um conflito entre o “eixo do bem” e o “eixo do mal”. Há apenas interesses.

De um lado está o regime Bashar al-Assad, o Irã e o grupo xiita libanês Hezbollah. A Rússia, também apoiando o regime de Assad, acaba de fornecer ao governo sírio alguns mísseis S-300 na tentativa de evitar a intervenção estrangeira. Israel, que já realizou alguns ataques aéreos na Síria, teme fazer novas intervenções, pois os mísseis russos são capazes de atingir seu território.

Do outro, o Exército Livre Sírio, apoiado pelas monarquias árabes comandadas por Arábia Saudita e Catar, a Turquia, a frente al-Nusra (braço da al Qaeda) e, em menor escala, por enquanto, as potências ocidentais, nomeadamente Estados Unidos, Israel, França e Reino Unido.

Atualmente a Síria se encontra numa situação tão caótica que não há qualquer perspectiva de solução. Para os EUA interessa um novo governo, comandado por um líder secular. Tal é a quantidade de forças envolvidas no conflito que é difícil é saber como fazer isso. A complexidade do conflito explica a atitude hesitante de Obama.

Para a Rússia interessa a permanência de Bashar al-Assad. A Síria é uma antiga aliada da Rússia e o país está localizado numa posição estratégica. Os cristãos que vivem no país também preferem a permanência do ditador, que apesar da fama de sanguinário não os persegue. 


Jones F. Mendonça