terça-feira, 18 de junho de 2013

MONGE REBELDE: ALEMANHA EM CHAMAS

Em outubro de 1517 Lutero divulga suas famosas 95 teses contra as indulgências. Em janeiro de 1521 o reformador é excomungado com a Bula Decet Romanum Pontificem. A Alemanha entra em convulsão. 

Fico imaginando se a revista Veja já existisse naquela ocasião: “LUTERO, O MONGE REBELDE: A ALEMANHA EM CHAMAS!”. Na mesma linha seguiriam Reinaldo Azevedo (o blogueiro mais azedo da Veja) e Olavo de Carvalho (o filósofo super pop das massas). Diriam que a revolta é absurda e que é preciso deter o “padreco rolabosta”.

Talvez você seja católico e diga que a revista e os dois homens têm razão. Tenho outra carta na manga. Em 1525 explode a revolta dos camponeses na Alemanha. Lutero condena os revoltosos e justifica a servidão com um texto da Bíblia. Diz que Abraão tinha servos e que o mundo não sobreviveria sem a existência deles. Em seguida escreve um texto duro contra os camponeses (Contra os ímpios e celerados bandos de camponeses). “Sufoquem no sangue a rebelião!”, grita o reformador. Capa da revista Veja: “LUTERO, BASTIÃO DA JUSTIÇA E DA ORDEM”. Reinaldo e Olavo exaltariam o reformador pela coragem em condenar a rebeldia daqueles “camponeses vagabundos”, gente ignorante e mal educada.

No mundo há pessoas ingênuas o suficiente para pensar que o mundo conhecerá mudanças apenas com o voto, com preces e orações. 



Jones F. Mendonça