terça-feira, 6 de setembro de 2011

AS CAUSAS DA REFORMA SEGUNDO IRWIN ISERLOH

Lutero teve lá seus defeitos, mas não é possível negar que muitas de suas críticas foram legítimas. Até mesmo estudiosos católicos como Irwin Iserloh enfatizam que a Igreja da época da Reforma vivia um momento de decadência moral sem precedentes:

1) Os Papas do renascimento: Alexandre VI (1492-1503), Julio II (1503-1513), Leão X (1513-1521), não possuíam a força espiritual necessária para fazer frente aos acontecimentos.  Leão X, por exemplo, se caracterizou pela falta de convicções e de seriedade; 

2) A precária situação do clero e do povo: A busca de honras e dinheiro era regra geral na instituição eclesiástica, que caminhava junto com o abandono da pastoral do povo pelos prelados e presbíteros. Tal situação causou no povo um ressentimento contra a Igreja, que muitas vezes foi considerada uma "potência estrangeira"; 

3) Falta de clareza dogmática e perversão da vida religiosa: O campo de verdade e erro não foi definido claramente. Por exemplo, Lutero ainda era considerado parte da Igreja quando o papa era apelidado de Anticristo. Em relação com a eclesiologia havia uma enorme confusão doutrinária, causado pelas teorias papais e anti-papais que proliferaram a partir do século XIV. O mesmo pode ser dito sobre os sacramentos. A teologia dos séculos XIV e XV não abordou a questão da missa de maneira adequada. O ensino sobre a doutrina da Eucaristia limitava-se a considerar a questão da transubstanciação do ponto de vista da filosofia da natureza.



Fonte: VILANOVA, Evangelista. Historia de la teologia Cristiana, p. 217,218.