quarta-feira, 29 de novembro de 2017

ANTIJUDAÍSMO, CRISTIANISMO E ISLÃ

1. A maior parte da comunidade judaica medieval - entre 800 e 1100 d.C. - vivia em território controlado pelos muçulmanos. Não eram vítimas regulares de violência religiosa ou exploração por parte da liderança islâmica. A narrativa que põe judeus e muçulmanos como inimigos históricos (“desde Ismael”) é mito, conversa fiada.

2. A população judaica em território cristão só começou a crescer a partir das conquistas cristãs dos territórios muçulmanos. Os judeus integrados aos territórios cristãos – habilidosos na atividade comercial e nos negócios – eram respeitados por uma razão muito simples: ajudavam a manter a economia aquecida.

3. De forma lenta e gradual um grupo de judeus foi se estabelecendo no norte da Europa (chamados de Askenazis). Embora apoiados pelas lideranças políticas cristãs, logo surgiram sentimentos antijudaicos. A razão: os cristãos, menos acostumados e viver num ambiente de diversidade religiosa, viam os judeus como um povo estranho.

4. A proibição da igreja aos empréstimos a juros feitos por cristãos a outros cristãos (considerado “pecado de usura”) abriu uma nova oportunidade aos judeus, acostumados a viver da atividade do comércio e dos negócios. O sucesso dos judeus nessa atividade favoreceu o desenvolvimento do ódio e do preconceito contra o povo do livro.

5. Na medida que a economia amadurecia, a contribuição judaica se tornava menos necessária e os governantes começaram a pesar os benefícios que poderiam obter com a expulsão dos judeus, medida que proporcionaria recursos econômicos através do confisco de propriedades judaicas, aprovação eclesiástica e aprovação popular.

6. Embora a crítica iluminista ao cristianismo medieval tenha se concentrado (com certo exagero) no maltrato dos judeus pelas Cruzadas e pela Inquisição, a violência e a perseguição aos judeus se deu por razões econômicas, alimentadas por razões religiosas (vistos como responsáveis pela crucificação de Cristo).

* Resumo em seis pontos de texto publicado no The Public Medievalist e escrito por Robert Chazan, professor de estudos hebraicos e judaicos na Universidade de Nova York. O texto faz parte da série: “Raça, racismo e Idade Média”.



Jones F. Mendonça