quinta-feira, 29 de outubro de 2015

BOBINHO E AS JAULAS MEDIEVAIS

Zé Bobinho vai ao cinema ver “Noé” e “Moisés” pensando que lá estarão Lagoinha cantando aos prantos e Malafaia pregando aos berros. Trata-se apenas de um filme, mas ele pensa que é culto. Irrita-se porque a arca não tem as medidas do Gênesis e Moisés não é gago como nas linhas da Torá. Imagina que é evangelismo, mas é apenas “película do capital” em 3D.

No final de semana foi fazer prova do ENEM. Pensava encontrar citações de São Paulo e dos Evangelhos, como se o exame fosse classe de catecúmenos, primeira comunhão ou profissão de fé. Bobinho não se dá conta de que já saímos do medievo, que universidade não é catedral, que a ciência não é mais serva da religião. Quer jogar dados medievais no tabuleiro da modernidade.

Com saudade de chãos mais sólidos e castelos menos fluidos, Bobinho tem revelado certa simpatia por movimentos radicais, autoritários, misóginos, xenofóbicos e até mesmo violentos. Revela-se disposto a trocar liberdade por segurança, asas por clausuras coletivas. Mostra-se incapaz de articular sua fé no confuso movimento de “sacralização do profano” e “profanação do sagrado”.

Haverá esperança para Bobinho?



Jones F. Mendonça