quinta-feira, 27 de agosto de 2015

A EVOLUÇÃO DA SABEDORIA EM QUATRO ESTÁGIOS

Quando colocados lado a lado, textos de Provérbios e Eclesiastes - ambos classificados como textos sapienciais - revelam contrastes visivelmente desconcertantes. Se por um lado Pv 14,11 diz convicto que “a casa dos ímpios será destruída, a tenda dos homens retos prosperará” (Pv 14,11), Jó  21,7 lança uma declaração pra lá de inquietante: “Por que os ímpios continuam a viver,  e ao envelhecer se tornam ainda mais ricos?” (Jó 21,7). A comparação entre outros textos sapienciais revela mais contrastes. Os sábios mais antigos, inclinados a perceber a sabedoria como qualidade quase secular (Pv 30 e 31,1-9 tem autoria estrangeira!) dão lugar a escritores que passam a vê-la como qualidade especificamente religiosa e israelita (como em Eclo e Sab, livros deuterocanônicos do século II a.C).

Buscando explicar a evolução da sabedoria israelita, José Luis Sicre propôs quatro estágios:

1. Humanismo internacional: caracterizado pela escrita voltada para a boa educação e governo, é encontrada na Síria, na Mesopotâmia e no Egito, representada em forma de provérbios, fábulas e poemas. Testemunhos da sabedoria estrangeira aparecem, por exemplo, nas “Palavras de Agur, filho de Jaces, o massaíta” (Pv 30) e nas “palavras de Lemuel, rei de Massá” (Pv 31,1-9).

2. Sabedoria israelita desde as origens até o século VI: Textos genuinamente israelitas. O prólogo de Jotão (Jz 9,8-15), considerado como a crítica mais feroz ao sistema monárquico é um exemplo de texto de sabedoria israelita mais antiga. Outros enfoques desse período, particularmente ligados à corte, são: a) a sabedoria como dom que se pede a Deus (1Rs 3,1-14), b) o governo do povo e a administração da justiça (1Rs 3,5-12.16-28), c) a capacidade de tomar decisões adequadas como a construção do templo (1Rs 5,21), d) o conhecimento enciclopédico (1Rs 5,9-14; 10,-19). São também desse período narrativas com conteúdo sapiencial, como a história de José (Gn 37-) e trechos do livro de Provérbios, principalmente os capítulos 10-29 (textos marcados pelo otimismo/teologia da retribuição/exaltação de virtudes como a modéstia e crítica a faltas como o orgulho).

3. Crise dos séculos V-III: Inserem-se nesse período os livros de e Eclesiastes (Qohelet). Estes livros põem em dúvida a validez dos resultados conseguidos por seus antecessores e se distanciam de seu otimismo, daí a expressão “crise da sabedoria”. Dessa crise brotam duas formas de crítica: a) Crítica que nasce da dor: Jó rejeita a teologia da retribuição de Elifaz (Jó 21,7 contra Elifaz em Jó 15,20-24) e faz questionamentos perturbadores em 21,34 e 9,22-24; b) Crítica que nasce da falta de sentido da vida: O livro chega até mesmo a criticar a sabedoria, declarando que “muita sabedoria, muito desgosto; quanto mais conhecimento, mais sofrimento” (1,18). Ver ainda Ecl 2,24; 3,12.22; 5,17; 8,15; 9,7-10. É possível que esta crise tenha antecedentes remotos, como em Jeremias “Por que prosperam os ímpios e vivem em paz os traidores?” (12,1) contrastando com textos do período anterior: “A casa dos ímpios será destruída, a tenda dos homens retos prosperará” (Pv 14,11); “Na casa do justo há abundância, mas o rendimento do ímpio é fonte de inquietação” (Pv 15,6). A experiência, grande mestre da sabedoria, demonstra que possuir determinadas virtudes não garante o sucesso.

4. Etapa final (século II-): Nesta última etapa são incluídas duas obras: Eclesiástico (ou Sirácida) e Sabedoria de Salomão (apócrifos/deuterocanônicos). A elas deve ser acrescentada uma parte de Provérbios (Pv 1-9). Três pontos se destacam como especialmente interessantes neste período: a) Atitude ante a cultura grega (Sab 2,1-3); b) Importância crescente da história (Eclo 44-50); c) Personificação da sabedoria em três fases: objeto de extremo valor (Jó 28); Mulher que fala em público (Pv 1-9); Personificação/metáfora/hipostase (Eclo 24; Sb 7,22-30). Nos livros anteriores, a sabedoria é uma qualidade quase secular que não conhece fronteiras nacionais; nestes últimos, toma-se uma qualidade especificamente religiosa e israelita (ou judaica, considerando que essas obras são do século II a.C.).


Jones F. Mendonça