terça-feira, 30 de junho de 2015

A HISTÓRIA DA ARTE (E DO PENSAMENTO) OCIDENTAL EM QUATRO TELAS



Trata-se de uma visão extremamente simplificada, mas pode facilitar o entendimento a respeito das transformações pelas quais passou a arte ao longo dos séculos:

1. A primeira imagem mostra uma escultura grega (Vênus de Milo, séc. II a.C.). Note que há uma extrema valorização do corpo, que é retratado com meticulosa perfeição. 

2. A segunda imagem mostra uma tela medieval ilustrando uma cena bíblica (Hilda Codex, século XI d.C.). Considerando que o cristianismo projeta o ideal de vida num mundo extraterreno, o foco passa a ser a piedade e não mais o corpo. Mundo sob a tutela da Igreja (teocentrismo). 

3. A terceira tela (Adão e Eva, de Raffaello Sanzio, 1509-11), do final da Idade Média, embora retratando uma cena bíblica, é marcada pelo retorno ao ideal de beleza grego. A palavra “Renascimento” significa justamente isto: o resgate dos valores greco-romanos (antropocentrismo). Lutero está aqui, surfando na onda do Renascimento. 

4. Na quarta fase (séc. XIX) a arte rompe definitivamente com a tradição, buscando constantemente novas formas de expressão (“A cigana adormecida”, de Henri Rousseau, 1897).



Jones F. Mendonça