segunda-feira, 5 de novembro de 2012

ECCLESIA REFORMATA SEMPER REFORMANDA EST?

Lutero em seu leito de morte, de
Lucas Cranach - 1546
Ainda que a Reforma tenha ocorrido do século XVI é preciso ter em mente o cenário que começava a se formar no século XII: decadência do sistema feudal, nascimento da burguesia, medo do inferno por parte dos fiéis que começavam a duvidar da eficácia dos sacramentos em face da decadência moral do clero, soteriologia confusa, surgimento das ordens mendicantes (fiéis à Igreja) e disseminação de grupos dissidentes, como cátaros e valdenses (hostis ao papado). Como resposta a esse último grupo surgiram as Cruzadas e a Santa Inquisição. A unidade da Igreja estava ameaçada e a resposta foi rápida e violenta.

Nos séculos seguintes novos ingredientes foram dando corpo à Reforma: O Renascimento italiano, o humanismo, a pregação de reformistas como John Wycliff (Inglaterra) e Jan Hus (Boêmia), a queda do Império Bizantino (antigos manuscritos gregos chegavam à Europa vindos de Bizâncio), as Grandes Navegações (intensificação do comércio marítimo e enriquecimento da classe burguesa), a invenção da imprensa por Gutemberg, a forte rejeição que os burgueses tinham pela intromissão da Igreja em seus negócios e o desejo dos nobres em expandir suas terras (apropriando-se das terras da Igreja).

No dia 31 de outubro de 1517 Lutero publicou 95 Teses contra as indulgências (indulgência = substituição da penitência pública por um pagamento em dinheiro). Os príncipes alemães viram o documento como uma excelente oportunidade para romper com o Papa (daí a proteção que Lutero recebeu de Frederico da Saxônia). A nova classe social que florescia, a burguesia, queria liberdade para enriquecer sem as barreiras morais impostas pela Igreja. Fiéis piedosos buscavam uma espiritualidade que estivesse mais de acordo com a que eles enxergavam nas linhas do Novo Testamento. A Reforma explodiu e abalou a Europa. O antigo Sacro Império Romano Germânico foi dividido em Estados protestantes e católicos.  Sem uma liderança única a nova igreja foi se fragmentando cada vez mais: luteranos, calvinistas, anabatistas, anglicanos...

Hoje muitos protestantes querem apresentar a Reforma apenas como um movimento religioso que colocou o cristianismo nos antigos trilhos.  Católicos insistem em destacar os defeitos de Lutero e os efeitos negativos desencadeados pela Reforma. Historiadores acentuam aspectos políticos, como o apoio dos príncipes, sem o qual a Reforma não teria êxito.  A Reforma é produto de diversos fatores. É um erro reduzi-la a mero fenômeno político. Tentar compreender o movimento apenas pelo viés religioso é também um equívoco.

Há boas razões para comemorar a Reforma. Mas é lamentável perceber que antigo lema protestante: “Ecclesia reformata semper reformanda est” converteu-se apenas numa frase latina elegante sem qualquer substância. 


Jones F. Mendonça