quinta-feira, 28 de abril de 2011

DERRUBEM OS MUROS!

Cartoon: Carlos Latuff
Izzeldin Abuelaish é um médico muçulmano que vive e trabalha em Gaza. Ele perdeu quatro membros de sua família quando um míssil israelense destruiu sua casa, durante a Operação Chumbo Fundido. Mas Abuelash não culpa o exército israelense e nem os judeus pela tragédia que atingiu sua família. Empregando uma analogia médica, ele diz que “o ódio é uma doença crônica”.

Abuelaish Fez um discurso para cerca de 600 pessoas na Universidade de Southern Maine, em Portland. Alguns judeus que estavam na platéia ficaram comovidos com a doçura das palavras do médico muçulmano. Os trechos abaixo foram publicados no The Jewish Daily Forward (a tradução é do Numinosum):
Uma mulher que se identificou como filha de um sobrevivente do Holocausto, disse que ficou profundamente perturbada com as imagens das crianças de Gaza e queria saber como ser tanto pró-Palestina como pró-Israel.
"Como judeu, eu não posso mais pensar em mim como uma vítima", disse Abraham Peck, 64, filho de sobreviventes do Holocausto. "Mas eu certamente não quero agir como um opressor". Ele acrescentou que "precisamos defender o que é certo. A violência não é a resposta. "Peck ensina estudos do Holocausto na Universidade do Maine, em Augusta.”
Infelizmente a maioria das igrejas evangélicas tende a analisar o conflito entre palestinos e judeus de forma parcial. Numa abordagem dualista infeliz e perversa, apresentam os judeus como bons, e os árabes como maus. Qualquer pessoa que se esforce para ver o problema com um pouco de equilíbrio vai perceber que não há santos nessa história. Mas apesar de reconhecer que nesse conflito não há bandidos e mocinhos, uma coisa fica bem clara: quem mais sofre é o povo palestino. Os mísseis lançados pelo Hamas fazem poucos estragos nas cidades israelenses. Mas as sofisticadas e poderosas armas do exército de Israel fazem muitas baixas, inclusive mulheres e crianças.

Deus sempre estará do lado do oprimido. Não importa se ele é judeu, muçulmano, budista, hindu, cristão ou membro de qualquer outra religião ou etnia. Para saber quem sofre mais na Palestina, basta fazer uma rápida busca no Google por imagens  dos territórios ocupados pelos dois povos (digite, por exemplo, Gaza e depois Safed; Bilin e depois Eilat). 

Abuelaish nos deu um belo exemplo. Sei que muitos judeus também têm feito o mesmo. Os muros precisam cair. Espero poder assistir este belo espetáculo. Efatá!