quinta-feira, 27 de outubro de 2016

NEURA

Neura era dessas escritoras compulsivas. Escrevia em areia, em redes sociais, em caderno, em guardanapo, em parede, em vidro embaçado pelo vapor. Seus dedos pareciam corcéis sem freio desbravando superfícies.

No repouso dos dedos ativava os olhos. Lia como uma louca: jornal velho, rabisco em placa de trânsito, bilhete amassado, bula de remédio sem uso, embalagem de shampoo, epitáfio em leito mortuário. Insaciável essa Neura.

Certo dia, nas instalações de um alfarrabista qualquer, na obsessão da leitura, tomou nas mãos três velhos exemplares da revista Veja: “Geisel, um comando firme”, “Collor, caçador de marajás” e “O poder de Aécio”. Estremeceu. Deixou de ler coisas inúteis. Curou-se.



Jones F. Mendonça