sexta-feira, 18 de julho de 2014

AS CARTAS DE AMARNA, OS REIS CANANEUS E A FORMAÇÃO DE ISRAEL

Em 1887, cerca de 350 tabuletas de argila foram encontrados em el Amarna, capital do faraó Akhenaton. Elas foram escritas em caracteres cuneiformes na linguagem diplomática, o acadiano. A maior parte dessas correspondências foi datada para os reinados de Amenhotep III (1402-1364) e Akhenaton (Amenhotep IV, 1350-1334). Atualmente encontram-se expostas em museus europeus (200 em Berlim, 80 no Museu Britânico e vinte em Oxford). 

Esses documentos refletem a ativa correspondência entre a administração egípcia e seus representantes em Canaã e Amurru. Também revelam o estado das relações internacionais entre o Egito e as grandes potências do Oriente Médio (Babilônia, Mitani e Assíria) e os países menores, como Arzawa no oeste da Anatólia. 

Um dos problemas enfrentados pelos reis cananeus no final do século XIV a.C. era a ameaça que vinha dos ‘apiru (pessoas de origem variada, fora da ordem social - os hebreus?), como atesta este carta escrita pelo rei Abdu-Heba, de Jerusalém: 
Os ‘apiru saqueiam os territórios do rei. Se houver arqueiros [aqui] este ano, todos os territórios do rei permanecerão [intactos]; mas se não houver arqueiros, os territórios do rei, meu Senhor, estarão perdidos! 

Uma excelente obra que relaciona as cartas de Amarna ao contexto político, social e econômico de Canaã no Bronze Recente, pode ser encontrada em “Para além da Bíblia”, de Mario Liverani (aqui, aqui e aqui). As cartas de Amarna estão disponíveis (em inglês), neste site.


Jones F. Mendonça