segunda-feira, 4 de junho de 2012

A MORAL PROTESTANTE E A DIVERSÃO

O tempo passa e o conceito de “carnalidade” vai se transformando. O jornal presbiteriano “O Puritano” (10/08/1956) publicou a seguinte questão (Cf. ALVES, Rubem. Religião e repressão, p. 211):
É lícito a crentes dançar e levar seus filhos a bailes familiares ou de formaturas?
Resposta: A dança moderna, ou seja, os bailes em geral, profanos e mundanos, ou familiares, ou de clubes, ou de “gafieiras”, ou de formaturas, não cabem dentro de Filipenses 4,8-9 e 1 Coríntios 10,31. Devem ser evitados definitivamente pelos crentes.
O mais curioso é que nem um dos dois textos fala sobre dança! 

O jogo e a diversão também passaram pelo crivo dos legisladores presbiterianos:
A profanação do Dia do Senhor pode ser feita por meio de jogos e diversões que, apesar de inocentes noutros dias, são incompatíveis como repouso e santidade do Dia do Senhor. AG-1930-033.
Calvino fez escola...


Jones F. Mendonça