sexta-feira, 14 de agosto de 2020

CONSIDERAÇÕES SOBRE A POESIA HEBRAICA

Cerca de 30% do Antigo Testamento foi escrito em forma poética. Ela aparece nos oráculos proféticos, nas orações, nos cantos fúnebres, nas celebrações de vitória, etc. Assim como a poesia mesopotâmica a poesia hebraica não trabalha com rimas, mas com paralelismos: o verso “b” reforça a ideia presente no verso “a”.

Veja como a compreensão do paralelismo ajuda a interpretar um verso de Cantares. Eis o verso (tradução NVI):

 “Pois o amor é tão forte quanto a morte, e o ciúme é tão inflexível quanto a sepultura” (Ct 8,6).

Destaco dois problemas com esta tradução: 1) algumas palavras estão mal traduzidas; 2) O tradutor não levou em conta o paralelismo. Abaixo proponho minha tradução. Veja que dispus os versos em paralelo:

A – “FORTE (1) como a MORTE (2) é o AMOR (3);
B – ATROZ (1’) como o SHEOL (2’) é a PAIXÃO (3’).

Veja como agora tudo faz sentido: forte/atroz; amor/paixão; morte/sheol.

Algumas considerações: 1) sheol não é “sepultura”, mas “mundo dos mortos”. Nos poemas o sheol era quase que personificado como uma força impetuosa, sempre disposta a tragar vidas. 2) a palavra hebraica que traduzi por “paixão” indica simplesmente uma pulsão: dependendo do contexto pode indicar ciúme, inveja ou amor ardente (paixão ou zelo). Aqui escolhi paixão por uma razão muito simples: o paralelismo exige que seja um sinônimo de “amor”. “Ciúme”, neste caso, não faz qualquer sentido.

 

Jones F. Mendonça

Nenhum comentário:

Postar um comentário