domingo, 5 de agosto de 2018

ISRAEL NO BRONZE TARDIO [MAPA]

Clique para ampliar

Leio “O Reino esquecido” (Paulus, 2015, 226 p.), obra escrita pelo arqueólogo israelense Israel Finkelstein sobre o reino de Israel do Norte. Além de me atualizar em relação às recentes descobertas produzidas a partir de escavações realizadas no Norte, aproveito para confeccionar novos mapas para meus alunos de geografia bíblica. Fiz o mapa acima a partir da figura 3, pg. 31 (Canaã no Bronze Tardio = 1350-1050 a.C.).

As cidades destacadas em vermelho formavam o que Finkelstein chama de “coalisão de Siquém”, lideradas por Labayu, governante de Siquém que ambicionava controlar o vale de Jezrael (Meguido e Rehov, em azul, acima de Siquém). Se tivesse alcançado seus propósitos, Labayu teria estabelecido uma dominação equivalente às mesmas áreas que alguns séculos depois foram governadas pelo Reino do Norte.

Contra a “coalisão de Siquém” estavam o Egito e seus aliados da “coalisão anti-Siquém” (em azul), formada pelas cidades de Miguido, Rehov, Acsaf, Aco e Hazor (a cidade-Estado mais importante do Norte). Embora Labayu tenha sido capturado e morto, seus filhos deram continuidade às ambições políticas de seu pai. 

Finkelstein sugere ter havido semelhanças entre o contexto no qual estava inserido Labayu e o dos líderes tribais mencionados no livro de Juízes. A história de Abimelec (Juízes 9) poderia ser um resquício dos acontecimentos que tiveram lugar antes da ascensão do Reino do Norte.

Algumas informações sobre o mapa: a reconstrução da divisão territorial de Canaã no Bronze Tardio – antes do estabelecimento de uma unidade política chamada Israel – tem se tornado possível graças a três ferramentas notáveis:

1) A evidência textual – a mais importante são as Cartas de Amarna, do século XIV a.C.. Trata-se de uma série de correspondências diplomáticas registradas em tabletes de argila entre os Faraós Amenófis III e Amenófis IV e governantes das cidades-Estado em Canaã (as cidades aparecem no mapa).

2) A investigação petrográfica – a sede do remetente de uma dada tabuleta pode ser identificada graças ao estudo mineralógico da argila na qual foi registrado o texto. A investigação petrográfica foi capaz de confirmar que Labayu, um rei cananeu citado nas cartas de Amarna, governou a parte norte da região das terras centrais de Canaã.

3) A arqueologia – as escavações podem revelar a arquitetura pública, assim como palácios e templos. O cruzamento das informações coletadas pelos arqueólogos com a evidência textual e petrográfica tem dado resultados extremamente positivos.


Jones F. Mendonça