sexta-feira, 15 de janeiro de 2016

SOBRE A ESSÊNCIA DAS RELIGIÕES

Leio neste dia chuvoso: “O império Otomano: das origens ao século XX”, de Donald Quataert. Lá na posição 340 (leio no Kindle), ele explica que o sistema político dos otomanos, classificado por ele como “multiétnico e multirreligioso” 
exigia [...] a proteção dos súditos no exercício de sua religião, fosse ela o islamismo, o judaísmo ou o cristianismo, de qualquer vertente – sunita ou xiita, ortodoxa ou católica grega, armênia ou síria. Este requisito baseava-se no princípio islâmico da tolerância (grifo nosso) com os "povos do livro", isto é, os judeus e os cristãos.
Mas ainda há quem insista que o islamismo é, “em essência”, uma religião violenta e intolerante. Ainda não entendeu que as religiões dançam conforme a música (na verdade, conforme o compasso do maestro).



Jones F. Mendonça