segunda-feira, 17 de novembro de 2014

PAIXÃO, ÊXTASE E EXPERIÊNCIA RELIGIOSA


A escultura “Êxtase de Teresa d’Ávila”, de Bernini (1645 a 1652), é capaz de deixar atônitos os visitantes da capela Cornaro, na Igreja de Santa Maria Vitória, Roma. A freira retratada na obra foi uma mística cristã do século XVI (1515-1582), famosa pela frase: “toda a miséria do presente é suportável pela esperança do beijo divino”.  A escultura de Bernini foi inspirada na autobiografia de Teresa. Eis trecho da (estonteante!) descrição de sua visão: 
Via um anjo ao pé de mim, ao lado esquerdo, em forma corporal [...] Vi-lhe nas mãos um grande dardo de ouro, e na ponta da arma pareceu-me ver um pouco de fogo. E parecia que mo enfiava pelo coração algumas vezes e me chegava até as entranhas. Ao tirá-lo, cuidava eu que as levava consigo e me deixava toda abrasada num grande amor de Deus. A dor era tão forte que me fazia soltar gemidos; e tão excessiva a suavidade que me deixava aquela dor infinita [...]. Não é dor corporal, mas espiritual, embora o corpo não deixe de ter participação e grande. É um trato de amor tão suave que passa entre Deus e a alma que, suplico eu à sua bondade, faça-o gozar a quem pensar que estou mentindo.
Um século depois que Bernini criou a escultura, Chevalier de Brosses, aristocrata francês de passagem por Roma, olhou para a santa e disse: “Bom, se isso é amor divino, eu sei muito bem como é”. 


Jones F. Mendonça