quinta-feira, 27 de fevereiro de 2014

O JESUS E O DAVI HISTÓRICO

Gerd Theissen, no prefácio de “O Jesus histórico: uma manual” (que acabo de adquirir):
A ciência não diz “foi assim”, mas “poderia ter sido assim com base nas fontes”. [...] A ciência nunca diz “é assim”, mas “assim se nos apresentam as coisas no estado atual das pesquisas” – e isto significa: “no estado de nossos acertos e erros”. [...] A ciência não diz “este é o nosso resultado”, mas “este é o nosso resultado com base em determinados métodos” (THEISSEN, 2002, p. 13,14). 
Com o Antigo Testamento não é diferente. Durante muito tempo os arqueólogos duvidaram da existência de Davi. Não questionavam a existência do personagem israelita simplesmente porque queriam implicar com os religiosos, mas porque a declaração de sua historicidade não estava fundamentada em evidências. Quando em 1993/94 a estela de Tel Dan foi descoberta no norte de Israel (lia-se nela: “byt Dvd” = casa de Davi), restaram poucas dúvidas de que um indivíduo israelita chamado Davi de fato existiu e foi importante o suficiente para fundar uma “casa de Davi”.

Mas a estela não diz que ele foi um rei que governou todo o Israel como uma monarquia unificada (até o momento as evidências apontam em outra direção). Nem que matou Golias ou que teve atritos com um filho chamado Absalão ou que participou de uma série de outras aventuras narradas na Bíblia. A ciência porá em cheque todas essas narrativas. Fará isso não porque deseja implicar com os religiosos, mas porque “assim se nos apresentam as coisas no estado atual das pesquisas” – e isto significa: “no estado de nossos acertos e erros”.

Amanhã, quem sabe, novas descobertas poderão mudar completamente o que sabemos sobre o Antigo Israel no período do Bronze recente. Tais descobertas poderão depor a favor da historicidade de determinadas narrativas bíblicas. Mas também poderão depor contra, afinal, como nos diz Theissen: “nosso resultado [é baseado] em determinados métodos”. Se as evidências, examinadas sob determinados métodos, apontam para o sul, não há porque seguir para o norte. A menos que se coloque a ciência sob o cabresto da fé. Neste caso não poderá ser chamada de ciência.  Será mero instrumento do dogma.



Jones F. Mendonça