domingo, 26 de janeiro de 2014

FÉ E HISTÓRIA

Imagem: Tablet.com
Há quem considere perseguição por parte dos historiadores e arqueólogos não religiosos o ceticismo que mantém em relação a historicidade de boa parte da narrativa bíblica. Ocorre que historiadores sempre levam em conta o grau plausibilidade de um relato. Se determinado texto sagrado diz que um homem piedoso iluminou os céus com a chama emanada de seu dedo indicador, o historiador nega. Se o Novo Testamento relata que um profeta de Nazaré caminhou pelas águas de um lago situado na costa Oriental do Mediterrâneo o mesmo historiador nega. O critério deve ser o mesmo para qualquer texto, inclusive os não religiosos.

"Ah" - diz o apologista - "mas ninguém questiona a historicidade da vida de Sócrates, filósofo grego da Antiguidade". É claro que questiona! "Ah" - brada o advogado da doutrina - "mas ninguém duvida que Alexandre, o Grande, foi de fato aquele personagem que está nas linhas dos registros antigos". É claro que duvida! O bom historiador sempre duvida. Aliás, a curiosidade e a dúvida são os motores da ciência. A investigação histórica sempre será um projeto inacabado. Já o dogma...

A fé pertence a uma outra esfera. Trata-se de uma escolha. A plausibilidade pode ser zero, mas o sujeito de fé continua sustentando sua crença mesmo que as evidências mostrem o contrário. “Então você está dizendo que o tal ‘sujeito de fé’ é um louco?”, perguntam-me. Não, louco é quem acha que a investigação histórica pode proporcionar um fundamento à fé e à teologia cristã.

E há muitos loucos por aí. 


Jones F. Mendonça