domingo, 8 de julho de 2018

ICONOCLASTIA PROTESTANTE

Embora Lutero tenha criticado o abuso das imagens, conseguiu perceber nelas certo valor como “memoriais e testemunhos”. Ele chegou a afirmar que, se pudesse, mandaria pintar toda a Bíblia dentro e fora das casas. Mas o reformador acabou vencido por figuras como e Karlstadt e Calvino, radicalmente iconoclastas, e a arte foi expulsa dos templos e entregue à consciência profana e secularizada. Uma pena. As Bíblias ganharam capa preta, “ilustradas” apenas com letras, indicando que o protestantismo é a religião da palavra (ou muçulmanos ao menos fizeram arte com as letras).

Para provar que é possível ser um monoteísta radical e ainda assim valorizar a arte na representação de cenas bíblicas, vale conhecer o trabalho de Marc Chagall (1887-1985), um JUDEU convicto nascido na Bielorrússia.


Jones F. Mendonça