terça-feira, 19 de junho de 2018

FÍLON DE ALEXANDRIA: A MULHER É O CAMPO, O HOMEM O SEMEADOR

Leio os escritos de Fílon de Alexandria, judeu helenista do primeiro século a.C. Interessam-me suas considerações a respeito da Lei judaica no que concerne à licitude de certas práticas sexuais.

Em Leis III, 32, o sábio judeu aconselha o marido a vigiar o corpo de sua mulher assim como o lavrador habilidoso vigia o campo no qual depositará sua semente. Explica que ele deve abster-se de semear quando o “campo” (a vagina) está “inundado” (pelo sangue da menstruação). Mas por que todo esse cuidado para não “desperdiçar a semente”? Simples: é que Fílon entende (como os filósofos estoicos) que o sexo tem como finalidade única a reprodução: “o prazer sexual não foi dado ao homem para o gozo ou a fruição, mas para a propagação da espécie” (Sêneca em “Consolação à Hélvia”).

Isso explica sua condenação aos homens que se casam com mulheres estéreis mesmo sabendo de sua condição (34). Neste caso o ato sexual seria um inaceitável “desperdício de semente”, algo que ele classifica como “contra a natureza” (pecado da luxúria). Igual condenação ele estende aos jovens que “encaracolam os cabelos”, “maquiam o rosto” e “delineiam os olhos”, “mudando o seu caráter viril” (efeminados). Tal prática, explica Fílon, consiste num “desperdício do poder de propagar a espécie” (39), permitindo que “terras férteis e produtivas permaneçam em repouso”, provocando a “desolação das cidades”.

Entre os primeiros cristãos a visão do sexo como prática restrita à procriação reaparece, por exemplo, em Clemente de Alexandria: “O casamento é o desejo da procriação e não a ejaculação desordenada do esperma que, aliás, é contrária tanto à lei quanto à razão” (Pédagoge, II, 10). Jerônimo chega a dizer (citando Xystus) que “aquele que é muito ardente com sua própria esposa é adúltero” (Contra Joviniano, I, 49). Quando Levy Fidelix, num debate presidencial em 2014, condenou a homossexualidade masculina argumentando que “aparelho excretor não reproduz”, repetiu a velha condenação estoica ao “desperdício de esperma”, repetida pelos judeus helenistas, pelos cristãos dos primeiros séculos e pelo catolicismo moderno.



Jones F. Mendonça