terça-feira, 5 de junho de 2018

O PESCOÇO NO ANTIGO TESTAMENTO

O texto hebraico do AT usa a expressão “pescoço duro” para se referir a uma pessoa teimosa, rebelde, difícil de domar: “Pois conheço a tua rebeldia, o teu pescoço duro” (Dt 31,27). O livro de Crônicas diz que Sedecias rebelou-se contra Nabucodonosor “endurecendo seu pescoço” (2Cr 36,13). Isaías repreende Israel dizendo que seu pescoço é um “tendão de ferro” (48,4). Os tradutores, visando ajudar o leitor, trocam pescoço por “cerviz” (pescoço duro = dura cerviz).

O Jó angustiado lamenta que sua vida tranquila tenha sido interrompida quando o Senhor o agarrou pelo pescoço e o triturou (16,12), afinal era sobre o pescoço que os jugos de ferro eram colocados (Dt 28,48) ou, também, os pés do opressor (Js 10,24). “Colocar o pescoço”, revela Nee 3,5, era o mesmo que submeter-se ao serviço de alguém. “Dar o pescoço” (em nossas versões, “dar as costas”), era, ao contrário, desdenhar de alguém (2Cr 29,6).

Mas o pescoço também aparece associado aos afetos. Jacó se lança ao pescoço de Esaú e o beija. José chora após se lançar ao pescoço de Benjamim (45,14) e de Israel, seu pai (46,29), após revelar sua identidade aos seus irmãos.



Jones F. Mendonça