terça-feira, 16 de dezembro de 2014

INQUISIÇÕES DE UM CRISTÃO REFORMADO

O Grande Caçador de Heresias construiu uma máquina do tempo. Foi à Palestina do primeiro século e condenou o comportamento de Jesus. O motivo: o Nazareno bebia vinho, comia com malfeitores e deixou de confrontar uma pecadora, que não só lavou seus pés com lágrimas como os secou com seus cabelos. O pecado: o escândalo. A pena: a fogueira.

O Grande Caçador de Heresias fez nova viagem. Foi à Alemanha do século XVI e reprovou o comportamento de Lutero. O motivo: o monge agostiniano convertia canções populares em hinos sacros, bebia cerveja enquanto traduzia a Bíblia para o alemão e acreditava no poder das bruxas. O pecado: o mundanismo. A pena: o caldeirão de azeite fervendo.

Tantas outras viagens fez o Grande Caçador de Heresias. Condenou, apontou o dedo, fez denúncias. Qualquer comportamento suspeito, por menor que pudesse parecer, ganhava a atenção de seus olhos sempre vigilantes. Certo dia - por um instante - tratou de cobiçar mulher que não era a sua. Lembrou-se de Mt 5,29 e, num movimento impetuoso, arrancou seus olhos com um marcador de Bíblias. Terminou a vida cego dos olhos, como sempre fora do coração.



Jones F. Mendonça