quarta-feira, 3 de setembro de 2014

CANTARES, UM LIVRO ÚMIDO

Livro bíblico de Cantares (Ct 5,2-4): Shulamit, já despida de sua túnica, está em seu leito. Ela dorme, mas seu íntimo está agitado (velibiy 'er). Shelomoh, seu amado, chega (à porta?). “Gotas da noite” escorrem pelos “anéis” de seus cabelos. Ele quer entrar. Shulamit hesita. Então ele mete a mão por uma fresta (da porta?). O corpo dela reage: “Minhas entranhas gemem por ele” (umeay hamu alayv). Com as mãos destilando mirra ela o busca. Mas é tarde demais... Ele se foi. 

Ele com cabelos molhados quer entrar. Ela não quer sujar os pés. 
Ele mete a mão por uma fresta. O ventre/entranhas dela gemem por ele. 
Ele se vai. As mãos dela, deslizando sobre a maçaneta do ferrolho(?), destilam mirra. 

Entrar/sair; voz que chama/pés reticentes; mão ousada/entranhas que gemem; cabelos cheios de orvalho/mãos que deslizam pelo ferrolho exalando mirra. Cantares, um livro cheio de ambiguidade e de sensualidade. Para os alegóricos: uma alusão ao amor de Cristo pela Igreja. Sabem de nada...


Jones F. Mendonça