sábado, 24 de maio de 2014

SERVETTO, CASTELLIO, CALVINO E O "CONSELHO DOS SANTOS"

Na Europa do século XVI viveu um espanhol errante chamado Miguel de Servetto. Nome de anjo, fama de diabo, era visto como herege pelos teólogos-protestantes-de-reta-doutrina de Genebra.

Miguel cria que o Pai era um somente. Entendia que o Filho e o Espírito eram aspectos diversos de uma mesma pessoa. Rejeitava o credo Atanasiano segundo o qual "não devemos confundir as pessoas nem dividir a substância". Para piorar cismou de dizer que a Palestina é uma terra seca, aparentemente contrariando o texto que diz que por aquelas bandas o leite e o mel brotam da terra.

Calvino subiu nas tamancas: “se aparecer por aqui, não permitirei que saia vivo!” O infeliz acabou capturado e conduzido ao Conselho de Genebra, formado por um tipo de gente capaz de tudo para preservar suas doutrinas de papel.

O nome completo da vítima: Miguel de Servetto. A alcunha do algoz: Calvino. A data: 1553. O tipo de execução: as chamas. Se alguém levantou a voz contra isso? Sim, Sebastian Castellio, um herege que tinha a compaixão - mas não a "sã doutrina" - no coração.


Jones F. Mendonça