domingo, 10 de fevereiro de 2013

ELOHIM, O REI DE TIRO E O QUERUBIM: INTRIGAS NA MONTANHA DE DEUS

Nesta semana o André Fonseca, meu aluno, apresentou-me uma questão. Trata-se do famoso relato da queda do rei de Tiro, no capítulo 28 do profeta Ezequiel (erroneamente interpretado como a queda de Satã). Em algumas versões o rei de Tiro é comparado a um querubim: “Tu eras querubim da guarda” (v.14 na Almeida revista e Atualizada - ARA), fantástico ser da mitologia oriental que atua como guardião de um local sagrado. Por causa de seu orgulho foi banido por Elohim da montanha de Deus: “te lançarei, profanado, fora do monte de Deus e te farei perecer, ó querubim da guarda” (v.16 na ARA).

Mas algumas versões (como a Bíblia do Peregrino - BP) interpretam o texto de forma bem diferente. Nessas versões o rei de Tiro é colocado no monte de Deus com um querubim e não como um querubim: “Te pus junto a um querubim protetor". No momento da expulsão é este querubim guardião quem expulsa o rei de Tiro: “e o querubim da guarda te expulsou”. 

Compare:

Tu eras querubim da guarda” (v.14 na ARA)
e te pus junto a um querubim" (v. 14 na BP)

e te farei perecer, ó querubim da guarda” (v.16 na ARA).
e o querubim protetor te expulsou” (v.16 na BP).

Após uma análise inicial convenci-me de que o texto da ARA corresponde melhor ao texto hebraico. Eis minhas razões:

1) O verso 14 começa assim: “’at (tu [eras/estavas]) keruv (um querubim) mimshah (magestoso? ungido? grande? reluzente?) hasukhekh (guardião)”. A tradução “tu estavas com...” ou “e te pus junto a um” faria sentido caso houvesse uma preposição ('et = com) antes de keruv (compare Gn 39,21). A ausência da preposição parece indicar o verbo “ser” e não o “estar”: “tu eras um keruv...”.

2) O texto hebraico em questão articula-se entre o “eu” (Elohim) e o “tu” (rei de Tiro). Não há verbos na terceira pessoa do singular nos versos 14 e 16. A construção “e o querubim da guarda (ele) te expulsou” não me parece correta;

Bem, parece que a tradução “Tu eras querubim da guarda” (v, 14) e “e te farei perecer, ó querubim da guarda” (v.16) é a mais acertada (ARA). Mas há algo que me incomoda nessa versão. Acho que faz mais sentido pensar que o texto original apresentava o rei de Tiro (figura do "homem primordial") sendo colocado na montanha de Deus protegido por um querubim. Após sua queda este mesmo querubim o expulsou sob as ordens de Elohim. Dessa forma o texto de Ezequiel encontra paralelo com o texto de Gênesis 3: um casal é colocado num jardim. Após a “queda” ambos são expulsos e o jardim permanece guardado por um querubim.

Alguém teria modificado o texto original? Com que intenção?


Jones F. Mendonça