quinta-feira, 4 de outubro de 2012

A GUERRA SIRO-EFRAIMITA

Estamos no século VIII a.C. Acaz reina em Judá (capital Jerusalém), Peca em Israel (capital Samaria) e Rezim na Síria (capital Damasco). Os assírios, povo mesopotâmico com elevado potencial militar, ameaçam toda a região com invasões, deportações e tributos. Peca e Rezim, temerosos, tentam forçar Acaz a participar de uma coalizão antiassíria, mas o rei de Judá prefere aliar-se à Assíria e lhe pagar tributo:
Sou teu servo e teu vassalo. Vem salvar-me das mãos do rei da Síria e do rei de Israel, que estão me atacando (2Rs 16,7).
Desesperado, Acaz chega a construir um altar de acordo com o modelo assírio (Rs 16,10). Oséias o condena: “Efraim se voltou para a Assíria, e mandou buscar a ajuda do grande rei” (Os 5,13). Além de Oséias (no Norte), o caos social e a infidelidade a Yahweh são denunciados por profetas como Miquéias e Isaías (no Sul). 

O clima no sul é de incerteza. Isaías quer que Acaz peça um sinal a Yahweh, mas o rei se recusa. Ainda assim o profeta diz: “a virgem ficará grávida e dará à luz um filho, e o chamará Emanuel” (Is 7,14). Isaías afirma que Samaria e Damasco serão destruídas antes que este menino se torne adulto (7,16; 8,4). Mateus, numa exegese tipicamente judaica, verá na passagem uma profecia messiânica (Mt 1,23).

A campanha militar iniciada por Tiglate-Pileser (745-727) e seguida com Salmaneser V (726-722), termina com Sargão II (722-705). Em 722 Samaria sucumbe ao exército assírio. Muitos são deportados. Na terra devastada o rei da Assíria insere gente da Babilônia, de Cuta, de Ava, de Hamate e de Sefarvaim (2Rs 17,24). Povos diferentes, deuses diferentes: Sucote-Benote, Nergal, Asima, Nibaz, Tartaque, Adrameleque, Anameleque (17,31). Os samaritanos perdem sua identidade étnico-religiosa.

Pouco mais de um século depois, em 587 a.C., Judá cairá nas mãos dos babilônios, catástrofe que terá profundos impactos na teologia dos israelitas.

Abaixo meu mais novo mapa, que ilustra a aliança entre a Síria e Efraim (Israel):

Clique para ampliar (1076 x 898)

Jones F. Mendonça