terça-feira, 17 de maio de 2016

E A SERPENTE SE FEZ SATANÁS

O termo satan (=adversário) aparece na Bíblia hebraica de três modos: 

a) precedido de artigo – “HAssatan” = “o adversário” (cf. Zc e Jó), referindo-se a um membro do conselho celestial que atua como “o adversário” de um humano (ver ainda, 1Rs 22,21, 2Cr 18,20, neste caso, “o espírito”); 

b) não precedido de artigo – “satan” = “um adversário”, como Hadad, apresentado como “um adversário” de Salomão (cf. 1Rs 11,14), ou “Adversário”, neste caso, referindo-se a uma figura específica, entendida como “o opositor de Javé”, Deus de Israel (1Cr 21,1), surgida no período pós-exílico, 

c) precedido de preposição – “LEsatan” = “por adversário” (cf. Nm 22,22.32) designando alguém que se coloca “por adversário” de outrem (como o anjo de Javé que se coloca “por adversário” de Balaão).

Mas quando o assunto diz respeito à identificação do “Satanás” do NT (plenamente personificado) com a serpente do Éden, leia este artigo ("How the serpent became Satan"), publicado na Bible History Daily (08/04/16), escrito por Shawna Dolansky, professora e instrutora no programa de Religião da Faculdade de Letras da Universidade de Carleton, em Ottawa, Ontário. Na opinião de Shawa, a ligação entre a serpente do Éden e Satanás sequer ocorre no NT, mas somente nos textos produzidos no período pós-apostólico (Justino Mártir, Cipriano e Tertuliano). Não há nada de novo no artigo, mas trata-se de uma boa síntese e certamente será útil aos interessados no assunto.



Jones F. Mendonça