terça-feira, 22 de junho de 2021

MÁRIO LIVERANI E AS 12 TRIBOS DE ISRAEL

Mario Liverani reserva uma seção de seu “Para além da Bíblia” para falar sobre as doze tribos de Israel. Inicialmente o assiriólogo italiano destaca o caráter artificial do número doze, rejeitando, por exemplo, a tese da anfictionia de Martin Noth, que supôs um modelo de organização tribal semelhante ao que existiu nas antigas sociedades gregas e itálicas.

Evidências desse caráter artificial poderiam ser facilmente percebidas a partir de uma análise atenta às diversas listas tribais – com quantidades e nomes diferentes – extraídas de alguns textos. Veja:

 ·  Jz 5 (Cântico de Débora) → 10 tribos (séc. IX): Efraim, Makir, Benjamim, Zebulon, Isaacar, Ruben, Gile’ad, Dan, Asher e Neftali;

 · Dt 33 (Bênçãos de Moisés A) → 10 tribos (séc. VIII): José, Benjamin, Zebulon, Isaacar, Ruben, Gad, Dan, Asher, Neftali e Judá;

 ·  Dt 33 (Bênçãos de Moisés B) → 12 tribos (séc. VII): Efraim, Manassés, Benjamin, Zebulon, Isaacar, Ruben, Gad, Dan, Asher, Neftali, Judá e Levi.

 ·  Ez 48,1-29 → 12 tribos (séc. VI): Efraim, Manassés, Benjamin, Zebulon, Isaacar, Ruben, Gad, Dan, Asher, Neftali, Judá, Simeão.

 ·  Ez 48,1-29 → 12 tribos (séc. VI): José, Benjamin, Zebulon, Isaacar, Ruben, Gad, Dan, Asher, Neftali, Judá, Levi e Simeão.

Ele sugere que os levitas eram originalmente um “grupo funcional”, elevado ao status de tribo pelos sacerdotes pós-exílicos (neste caso, teríamos treze e não doze tribos). Outra questão que ele levanta diz respeito à tribo de Simeão, situada nos os limites fronteiriços de Judá: a tribo teria sido inserida artificialmente na região com a finalidade de afirmar que a perda de territórios mais ao sul não tinha refletido sobre Judá. O deslocamento de Dan da região mais central (na Shefelah) para o extremo norte (Jz 18) teria a finalidade de afirmar direitos sobre um território apenas transitoriamente incluído no reino de Israel.


Jones F. Mendonça

Nenhum comentário:

Postar um comentário